PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Após juiz, RS tem caso de agressão a médico e apologia: 'tem que apanhar'

Jogadores do Guarany e Bagé reclamam da arbitragem em jogo no interior gaúcho - Reprodução
Jogadores do Guarany e Bagé reclamam da arbitragem em jogo no interior gaúcho Imagem: Reprodução

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

25/10/2021 16h30

Mais um jogo no interior gaúcho terminou em confusão. Ontem (24), a partida entre Brasil de Farroupilha e Guarany de Bagé, válido pelas quartas de final da Série A2 do Estadual, teve agressão a médico, expulsão de membro da comissão técnica, goleiro com o rosto fraturado e xingamentos de dirigentes contra árbitros lembrando a agressão a Rodrigo Crivellaro, no início deste mês.

Rodrigo foi chutado quando estava no chão pelo atleta Willian Correa, que defendia o São Paulo de Rio Grande, em partida contra o Guarani de Venâncio Aires, disputada no início do mês, pelo mesmo campeonato. O árbitro precisou ser encaminhado a um hospital, e o jogador chegou a ser detido e teve contrato imediatamente rescindido. Ele está impossibilitado de atuar por dois anos. Crivellaro só voltará a apitar no ano que vem.

O médico agredido, Felipe Krindges, estava a serviço da equipe de Farroupilha. Mas, por um acordo entre os clubes que disputam a Série A2, a equipe visitante eventualmente pode não levar médico para os jogos, sendo o profissional da casa responsável por atender ambos os times.

Tudo começou com uma dividida

Jonathan Walker, goleiro do Brasil de Farroupilha, teve duas fraturas no rosto durante jogo - Divulgação/Brasil de Farroupilha - Divulgação/Brasil de Farroupilha
Imagem: Divulgação/Brasil de Farroupilha

Os incidentes do jogo entre Brasil de Farroupilha e Guarany de Bagé começaram com uma dividida entre o goleiro Jonathan Walker (foto) e o atacante Welder. O atleta do time de Bagé acertou a cabeça do goleiro rival com o joelho em disputa de bola. Por considerar o lance com 'força excessiva', o árbitro Marcus Vinícius Gonçalves dos Santos expulsou o atleta.

O goleiro precisou de atendimento médico, chegou a ficar desacordado e foi encaminhado a um hospital. Após exames foram constatadas fraturas no arco zigomático e assoalho da órbita. O jogador passará por cirurgia no rosto.

Os eventos que ocorrem em seguida foram, segundo relatos ouvidos pela reportagem do UOL Esporte em ambos os clubes, reflexo deste início.

Jogo tenso e citação a Rodrigo Crivellaro

O jogo seguiu muito brigado. A cada dividida mais dura, reclamações tomavam o campo. As duas equipes protestavam muito contra as decisões do árbitro, e se envolviam em jogadas ríspidas. No intervalo, segundo relato em súmula, membros da direção do Guarany de Bagé foram ao gramado para xingar a arbitragem.

Aos 37 minutos do segundo tempo, o clima esquentou de vez. Segundo relato em súmula, o presidente do Guarany de Bagé, Heraclito Antônio Vicente Moreira, conhecido como Tato, foi ao campo e bradou contra as decisões da arbitragem citando as agressões a Rodrigo Crivellaro.

"Tu é um safado, ladrão, sem vergonha, FDP. É por isso que vocês têm que apanhar mesmo. Igual o Rodrigo [Crivellaro] apanhou. Está metendo a mão no Guarany, seus ladrões", relatou o árbitro no documento do jogo, dizendo que tal reclamação foi feita novamente ao fim da partida.

Procurado pela reportagem do UOL Esporte, o presidente do Guarany contesta a versão do árbitro, mas reclama do que aconteceu em campo. Segundo ele, era impossível saber o que foi dito e quem estava falando.

"Em momento algum falei que algum ser humano tenha que apanhar para justificar o ato falho", disse Heraclito Antônio Vicente Moreira. "Eu, particularmente, não tenho problema algum com arbitragem, que recebo no nosso estádio. Sou presidente há bastante tempo e tenho caixa para falar direto com os professores. Mas quando o cara te opera [prejudica], muda de opinião. O futebol do interior é bem diferente do praticado pela dupla Gre-Nal, envolve muita paixão e dinheiro suado", completa.

Tato ainda reforçou que o Guarany gastou R$ 14 mil para viajar e enfrentar o Brasil de Farroupilha e que se sentiu prejudicado pela arbitragem. "Neste momento, para alguns, vitimismo da arbitragem é o certo. Fica claro que a arbitragem historicamente é fraca e prepotente. Querer roubar, jamais, eles são ruins mesmo", disse. "Vou morrer defendendo o meu time", finalizou.

BO de médico e idolatria a agressor

Jogador do Guarany de Bagé teve corte na perna após dividida em jogo da Série A2 do Gauchão - Divulgação/Guarany de Bagé - Divulgação/Guarany de Bagé
Imagem: Divulgação/Guarany de Bagé

Já nos instantes finais do jogo, o médico Felipe Krindges iria atender um atleta do Guarany que cortou a perna (foto) ao levar uma entrada forte do goleiro adversário. Chegando até ele, o massagista da equipe de Bagé reclamava muito da arbitragem. Eis que o doutor contestou lembrando que o goleiro do Brasil tinha ido para o hospital. Foi suficiente para provocar agressão.

"Ele me deu um empurrão, eu fui para trás, viria para cima, mas nosso preparador de goleiros que estava ali impediu, empurrou ele, evitou o que seria pior", conta Felipe ao UOL Esporte.

Depois do jogo, o médico registrou Boletim de Ocorrência. A agressão a ele não consta em súmula. O revide do preparador de goleiros, sim. O profissional foi expulso e, segundo relato do árbitro, "passou em frente ao banco de reservas do Guarany de Bagé atirando beijos ao técnico adversário, que não caiu na provocação".

Já após o fim da partida, segundo relato em súmula, uma nova citação ao ocorrido com Rodrigo Crivellaro aconteceu. Desta vez, o autor não foi identificado.

"Após o final da partida, já com quarteto de arbitragem nos vestiário, foi possível escutar pelas frestas da janela que estavam abertas pessoas falando as seguintes frases: Esses caras nos prejudicaram, expulsaram quem menos podia ser expulso. Nos roubaram esses FDPs. Por isso que eles apanham mesmo. É por isso que o Willian [Ribeiro, que agrediu o juiz Rodrigo Crivellaro] é meu ídolo. Ao escutar esta frase, abri a porta do vestiário para identificar quem era a pessoa que falava, porém, não foi possível a identificação. Mas vi que a pessoa estava vestida com abrigo do Guarany", relatou o árbitro em súmula.

Em nota, o Brasil de Farroupilha lamentou o ocorrido. "Finalmente a SERC Brasil espera que os fatos referente a ambas as questões sejam apurados e os responsáveis punidos pelo bem do futebol gaúcho", diz manifestação assinada pelo presidente do clube, Elenir Luiz Bonetto.

Também em nota, o Guarany de Bagé repudiou a manifestação do adversário. "Em nenhum momento houve uma entrada do atleta Welder no goleiro da equipe adversária. O que houve foi uma disputa de bola, em um lance de jogo, onde o goleiro adversário levou a pior, gerando a expulsão equivocada do nosso artilheiro", publicou em suas redes sociais.

Como de praxe, todos os citados responderão por seus atos no TJD-RS.

O placar da partida foi 1 a 0 para o Brasil de Farroupilha. O jogo de volta será disputado no estádio Estrela D'Alva, em Bagé, no próximo domingo (31).

Futebol