PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Mauro Cezar: Dudu me pareceu irritado por ter ido a campo só para marcar

Do UOL, em São Paulo

24/09/2021 18h06

Classificação e Jogos

Um dos principais jogadores no elenco do Palmeiras, Dudu foi substituído durante a partida da última terça-feira (21) diante do Atlético-MG pelas semifinais da Copa Libertadores e mostrou seu descontentamento ao arremessar as caneleiras, situação que foi minimizada na entrevista coletiva pelo técnico Abel Ferreira, que citou a hipótese de o jogador ter ficado insatisfeito com a própria atuação.

No podcast Posse de Bola #163, Mauro Cezar Pereira afirma ter ficado com a impressão que o jogador se irritou com o fato de ter tido sua atuação limitada a marcar de acordo com a estratégia montada pelo treinador para a partida no Allianz Parque diante do Galo.

"O Dudu, na minha interpretação, que pode estar totalmente errada, ao reagir jogando caneleira, atadura, chuteira, meia, tudo no chão, me pareceu irritado ali com o que ele tinha acabado de viver. Um jogador talentoso, histórico do Palmeiras, de jogadas importantes, de gols importantes, assistências, o cara que faz a defesa adversária se preocupar, entrar em campo só para marcar, marcar e marcar. Óbvio que eu não sou contra os jogadores de frente trabalharem sem a bola, trabalharem defensivamente, não, tem que fazer esse papel também, mas só isso? Então você escala um time de 11 zagueiros ou volantes, ou coisa parecida", diz Mauro.

"Eu imagino que outros jogadores do Palmeiras que têm capacidade para isso tenham ficado incomodados, mas não vão se manifestar. O Dudu, pelo temperamento, pelo tamanho que tem, botou para fora ali os sentimentos, mas me pareceu que ele estava incomodado com isso, alguém pode dizer 'não, está com raiva do técnico', seria por isso, 'está incomodado com a atuação dele mesmo', o que estaria também ligado a isso. Por que ele estaria incomodado com a atuação dele? Só pega na bola para tentar tirar do adversário, dá a bola para o Atlético-MG e marca no seu próprio campo, praticamente os 90 minutos, uma coisa medonha", completa.

O jornalista afirma também que a estratégia montada por Abel só foi possível devido à ausência de público no Allianz Parque, pois a torcida ficaria irritada com um time armado apenas para se defender jogando como mandante.

"O fato é que o jogo de terça-feira até parece que teve influência disso. Será que o Abel queria público? Talvez, para o Abel, seria melhor não, mas essa decisão obviamente não foi em função de uma escolha estratégica do Abel, foi decisão dos cartolas", diz Mauro.

"Acho que o Abel se adequou à realidade. 'Eu não vou ser pressionado, vou jogar pelo 0 a 0 e vou resolver lá, lá eu tenho que espetar o cara e fazer um gol, se eu faço o gol, eles têm que fazer dois, têm que virar. Se eles não conseguiram fazer um na minha casa, vão fazer dois lá?'. Ele está apostando nisso, mas com torcida seria mais difícil porque o torcedor iria apoiar o Palmeiras e cobrar o mínimo de agressividade", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter).

A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts. Você pode ouvir, por exemplo, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e Youtube --neste último, também em vídeo. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol