PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Mauro: Desafio de PSG e United é fazer times funcionarem com Messi e CR7

Do UOL, em São Paulo

11/09/2021 04h00

Com as contratações de Messi e Cristiano Ronaldo, PSG e Manchester United são os times que mais geram expectativas na fase de grupos da Liga dos Campeões, que começa na próxima semana. No quadro "Fala, Maurão", o jornalista Mauro Cezar Pereira comenta as duas principais contratações do mercado da bola na Europa, a partir dos 5min27 do vídeo acima.

Para o colunista do UOL, o principal desafio dos técnicos Ole Gunnar Solskjaer, do clube inglês, e Mauricio Pochettino, do PSG, é fazer as equipes funcionarem com as chegadas dos craques.

Mauro Cezar avalia que Solskjaer "até hoje não mostrou ser o nome mais capacitado para fazer esse time funcionar como se espera". "Vejamos agora, com a chegada do português, o que vai preparar o histórico jogador do clube que como técnico ainda não se provou".

Segundo ele, a contratação do português de 36 anos é uma tentativa dos Red Devils de voltar a ser o time protagonista de Manchester.

"O time de Manchester que faz sucesso hoje é o City e não o United, que é mais tradicional, digamos assim, como grande competidor até no âmbito internacional, ganhou mais vezes o campeonato inglês, mas desde a aposentadoria de Alex Ferguson não consegue mais assumir o protagonismo de outrora. Com a volta de Cristiano Ronaldo, aliás, levado pelo técnico escocês já aposentado, para o United no comecinho do século, digamos assim, há quase 20 anos, o United volta a sonhar com o papel principal, de destaque, nas competições como a Liga dos Campeões."

No caso do PSG, o jornalista não tem dúvidas de que Neymar, Messi e Mbappé farão grandes jogos juntos, "darão alguns showzinhos", mas analisa que a expectativa é pelos ajustes que serão feitos pelo técnico Mauricio Pochettino para fazer o trio ajudar a equipe defensivamente, sobretudo, diante de adversários mais qualificados.

"O ataque tem três jogadores de frente, três jogadores lá na linha ofensiva, que precisarão participar muito sem a bola. Caso eles não tenham uma participação ativa, quando a posse for do adversário, contra equipes mais qualificadas tecnicamente, o PSG deverá ter muita dificuldade."

Para ele, o confronto do PSG contra o Manchester City será uma boa amostra de como Neymar, Messi e Mbappé se portarão sem a bola diante de um adversário, que vai se aproveitar das dificuldades defensivas do trio.

"Dia 28 de setembro, tem Manchester City e PSG, e já teremos com certeza essa experiência, de ver como esse trio vai se comportar contra um adversário que vai tentar se aproveitar justamente de uma eventual sobrecarga no trabalho defensivo, no trabalho da recuperação da posse de bola dos demais jogadores desse time porque os três são estrelas que não se caracterizam por uma ação contínua na ter a bola quando ela está com o adversário. Mbappé é jovem, pode e deve aprender a trabalhar assim. O Neymar não é um veterano, é experiente, mas não é um veterano. Terá também que ser mais ativo nesse tipo de situação. Messi, talvez nem tanto, por ser talvez o maior craque, o mais velho dos três. Esse já é um veterano. Mas também terá que dar sua contribuição."

"Se conseguir distribuir bem as tarefas, Mauricio Pochettino vai comandar um time que vai fazer realmente história na Liga dos Campeões. Mas entre a história e a decepção, há uma linha muito tênue, justamente por causa dessa necessidade de ajustes, que não são tão simples como podem parecer e também pela fogueira das vaidades de muitos egos reunidos, que é outro desafio para o técnico argentino que terá que contornar isso tudo", finaliza.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol