PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: "Tite é um treinador medíocre. É um desastre desde a Copa de 2018"

Do UOL, em São Paulo

03/09/2021 01h54

Classificação e Jogos

A seleção brasileira não fez uma partida brilhante, mas venceu o Chile por 1 a 0 nesta quinta-feira (2) em Santiago. Com o resultado, o Brasil manteve o aproveitamento de 100% nas eliminatórias da Copa do Mundo-2022, com sete vitórias em sete jogos, e caminha com sobras rumo à classificação para o Mundial no Qatar.

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte - com os jornalistas Luiza Oliveira, Renato Maurício Prado, Marluci Martins e José Trajano -, os comentaristas analisaram o desempenho da seleção diante dos chilenos. Eles não gostaram do que viram em campo e criticaram as escolhas feitas pelo técnico Tite.

"A sensação que eu tenho é de que o Tite entrou com medo do Chile. Você vai entrar em campo preocupado como se enfrentasse a Itália, campeã da Eurocopa? O Tite é um treinador medíocre, que não sabe jogar de uma maneira diferente da que ele pensa. Em vez de tirar o melhor dos jogadores, ele os faz jogarem mal e os obriga a jogar fora de suas características. Desde a Copa de 2018 o Tite é um desastre. De lá para cá, o Brasil não jogou bem em momento algum", criticou Renato.

Trajano concorda com a análise. "É curioso. O Brasil é líder isolado, ganhou o jogo e estamos tacando a lenha no Tite. Mas tem que tacar. Ele entra com medo, para garantir o resultado. Não entra para a frente. Ele escalou mal, como sempre. Para quem gosta de futebol, estar em primeiro e ganhar do Chile não quer dizer nada. A gente sabe do potencial de vários jogadores que estão lá. Uma seleção mais equilibrada, aproveitando mais o talento de alguns atletas, poderia render muito mais", analisou.

Marluci não gostou do que viu em Santiago. "A palavra é decepção. Até gostei quando os ingleses não liberaram os jogadores. Era a oportunidade para vermos em ação uma quebra das convicções do Tite e a entrada de jogadores que queremos ver atuar, como o Hulk, que não saiu do banco, e Gabigol. O que vimos foi um time completamente desorganizado em campo. Nunca pensei em ver uma dificuldade tão grande como no primeiro tempo contra um adversário frágil", analisou.

Para Renato, os erros de Tite começaram já na hora de montar o time titular. "A escalação foi completamente equivocada. Não tinha ninguém para atacar pela direita. O Gabigol teve que cair por esse lado e aí ficou sem centroavante. O Vinícius Júnior entrou para marcar lateral. Foram três cabeças de área, porque o Paquetá joga assim hoje em dia. O time entrou com Casemiro, Bruno Guimarães e Paquetá. Quem armava? Ninguém, até porque o Neymar estava mal. Deu no que deu no primeiro tempo", avaliou o colunista.

Trajano também se queixou da teimosia do treinador. "Ele é muito conservador e preso a alguns jogadores. Ele se agarra a um esquema de jogo, que não sabemos direito qual é. Ser líder das eliminatórias não quer dizer rigorosamente nada. É praticamente uma obrigação. Olha que loucura: estamos refletindo uma decepção com uma vitória e uma liderança isolada, porque sabemos do potencial que temos para jogar muito melhor e de uma forma mais elegante, bonita, alegre", lamentou.

Falta a Tite deixar um pouco de lado suas ideias e testar novas opções, na visão de Marluci. "Acho que o Tite tem que ousar mais mesmo. O Brasil tem 21 pontos e o Uruguai, em quarto, tem nove. Não tem por que ser conservador nas escalações, respeitar convicções. Também não acho que ele deva mudar tudo de uma vez. Ele não estará testando, mas inventando algo que a gente até quer ver, mas com organização", completou.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol