PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Borja revela papo com Felipão e abraça status no Grêmio: "Fazer história"

Lucas Uebel/Grêmio FBPA
Imagem: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Jeremias Wernek

Do UOL, em Porto Alegre

05/08/2021 14h22

Miguel Borja chegou ao Grêmio e abraçou a missão de mudar a cara do time. Hoje (5), na entrevista de apresentação, o centroavante emprestado pelo Palmeiras falou em "fazer história" em Porto Alegre. O colombiano revelou ligações com Felipão, com quem trabalhou em São Paulo, e se definiu como mais experiente e preparado para ajudar o time. O atacante é a grande aposta para fazer a equipe reagir no Campeonato Brasileiro.

Aos 28 anos, Borja assinou com o Grêmio até o final de 2022. O empréstimo vai custar cerca de R$ 6 milhões aos cofres do time gaúcho. Ele usará a camisa nove.

"O Felipão me ligou, sim. Eu liguei a ele… Falei que estava muito agradecido pela chance, por acreditar de novo em mim. Acho que vamos fazer história, sim", disse Borja.

Autor de seis gols na Copa Libertadores pelo Junior Barranquilla-COL, o centroavante voltou ao Brasil e tinha ofertas para deixar o país. No fim, a proposta do Grêmio agradou mais e também fechou com os planos do Palmeiras, que tinha a meta de controlar a folha salarial do elenco comandado por Abel Ferreira.

A passagem pelo Palmeiras, aliás, foi um capítulo à parte na apresentação. Ao falar da chegada a São Paulo, depois de ser destaque no Nacional de Medellín, da Colômbia, Miguel Borja se definiu como um jogador que amadureceu recentemente.

"No Palmeiras eu tinha só 23 anos e agora estou mais maduro. Coisas que aconteceram me ajudar. Agora tenho que falar só dentro do campo (..) Sempre vou estar disposto. Mas muitas vezes… A gente sempre trabalha para fazer o melhor, mas às vezes não acontece. Eu fico tranquilo pelo o que fiz no Palmeiras. Fui campeão… Fui artilheiro da Libertadores e isso ninguém vai mudar. Aqui é uma nova chance de fazer o que sei fazer. Manter o que fiz recentemente no Junior Barranquilla", comentou.

Borja chega ao Grêmio em meio a uma campanha que ligou alerta geral em Porto Alegre. O time gaúcho tem somente sete pontos e é penúltimo colocado no Brasileirão.

"Quando me procuraram eu sabia que o Grêmio é um time que tem muita história. Acontece, muitas vezes, que o começo não é bom. Mas o Grêmio tem elenco para virar tudo isso que está acontecendo agora. Não podemos esquecer da história que o clube tem. Não importa a tabela… Temos que seguir trabalhando e vamos virar tudo isso, sim", disse.

Confira outras respostas de Miguel Borja na coletiva

PASSAGEM PELO JUNIOR BARRANQUILLA

Uma coisa muito importante é a confiança. Todo jogador precisa só disso, confiança do treinador. Da diretoria. Acho que isso foi o que aconteceu nesse ano que saí do Brasil. Peguei muita confiança, joguei com jogadores de grande qualidade. Isso vai acontecer, com certeza, aqui no Grêmio também.

PLANOS PARA PASSAGEM PELO GRÊMIO

O sonho é fazer muito gol, fazer história e ser campeão. Tem a Copa do Brasil, o Brasileirão. Grande expectativa para o que estou pensando. Jogar, jogar sempre e voltar à seleção. Com o elenco que o Grêmio tem, podemos fazer história. COMO GOSTA DE JOGAR Eu gosto muito de fazer facão curto, diagonais curtas. Mas o professor, agora nos treinos, vai dizer o que fazer e vou tratar de fazer. Temos elenco e temos que nos movimentar bem.

CONVERSA COM FELIPÃO

Ele me perguntou se eu estava trabalhando e eu disse que estava trabalhando na Colômbia. Também em São Paulo, com o Palmeiras. E isso não vai mudar muito… O elenco é muito bom, tem muito elenco aqui no Grêmio. A tabela agora não ajuda muito a gente, mas sabemos que temos como virar tudo isso aí. Com um treinador como o Felipão a esperança é grande, esperança de fazer história.

PROPOSTAS E ESCOLHA PELO GRÊMIO

Procuraram meu empresário. Muitas equipes da América do Sul, da Europa. Chegaram propostas ao Palmeiras, mas eu disse a ele que estava nas mãos de Deus. Eu estava de folga na Colombia e me ligavam, falaram que tinha muitos pedidos. Mas quando ele me falou que tinha algo do Grêmio, disse 'vamos'. E não foi só agora, tem uns dois ou tres anos que disse a ele que gostaria de jogar aqui. Tem tres Libertadores e ganhar essa competição não é fácil. Estar aqui é um sonho. Minha família está muito contente com este acerto. Fico agradecido e juntos com a torcida vamos fazer história.

Futebol