PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Substituto de Guerrero é italiano e foi dispensado por ir mal na escola

Gianluca Lapadula, jogador da seleção do Peru, é italiano e foi diepensado pela Juventus - Alexandre Schneider/Getty Images
Gianluca Lapadula, jogador da seleção do Peru, é italiano e foi diepensado pela Juventus Imagem: Alexandre Schneider/Getty Images

Marinho Saldanha

Do UOL, em Brasília (DF)

26/06/2021 04h00

Classificação e Jogos

O Peru optou por não levar para Copa América a maior figura de seu futebol. Paolo Guerrero, que ao lado de Vargas é um dos maiores artilheiros da competição em atividade. O substituto, entretanto, tem empolgado a torcida, mesmo sem ser peruano. Gianluca Lapadula optou pela seleção peruana após duas recusas, jamais atuou no país e traz da Itália toda sua origem.

Logo no início da carreira, o atacante de 31 anos passou por uma situação curiosa. Aos 14 anos, fazia parte das categorias de base da Juventus e já era visto como um futuro atleta de ponta. Não era, porém, muito dado aos estudos. Por isso, acabou dispensado da Juve por ir mal na escola. Era regra do clube que para seguir atuando na base uma média escolar precisava ser atingida, e Lapadula não conseguiu.

Passaram-se alguns anos e o italiano de Turim via o sonho de atuar profissionalmente distante. Mas surgiram clubes menores, sem a exigência escolar, para abraçar o atacante. Treviso e Pro Vercelli foram as equipes em que ele concluiu a base e se tornou profissional.

Depois, Lapadula passou por vários clubes menores, esteve no Parma e de lá foi emprestado para o San Marino Calcio. Na equipe marcou 24 gols em 39 jogos. Voltou para Itália, jogou no Cesena, no Frosinone e teve outro bom momento no futebol da Eslovênia. Pelo Gorica, foi campeão da Copa Nacional e marcou 14 gols em 32 partidas.

O novo retorno já foi em outro status. Vieram 25 gols em 40 jogos pelo Teramo, e a artilharia da Serie B italiana pelo Pescara, com 30 gols em 46 partidas. Ali a grande chance apareceu. Comprado pelo Milan, ganhou espaço e passou a ser cogitado pela seleção italiana, ainda antes de seguir por Genoa, Lecce e, atualmente, Benevento.

Até agora, você deve se perguntar: mas como ele veio parar na seleção peruana? Bem, Lapadula é filho do italiano Giancarlo Lapadula e da peruana Blanca Aida Vargas, possuindo dupla cidadania. E pouco antes do Milan a dúvida começou a surgir: por qual seleção ele optaria.

O técnico Ricardo Gareca viajou à Europa e conversou com Lapadula em 2015. Em fevereiro de 2016, ele convocou o atacante — que na época defendia o Pescara — para seleção peruana, mas ouviu um não pois Lapadula "gostaria de se dedicar ao clube". No Instagram, ele agradeceu, mas preferiu recusar o primeiro chamado.

Em maio de 2016, novamente Gareca convocou Lapadula para seleção, mas recebeu a segunda recusa. Desta vez o jogador não quis disputar a Copa América do Centenário pois, segundo ele, não gostaria de se aproveitar de uma oportunidade profissional, apenas, já que não tinha participado do processo todo com a seleção.

Internamente, o jogador nutria a esperança de chegar à seleção italiana, o que de fato aconteceu no ano seguinte. Em 2017, Lapadula foi lembrado na convocação de um jogo de Eliminatórias e um amistoso. Ele sobrou da equipe que jogou a partida oficial e esteve em campo em amistoso contra San Marino, marcando três gols. Mas nunca mais foi lembrado.

Em 2018, o jogador, inclusive, foi ironizado pela imprensa peruana pois a Itália, que gostaria de defender, ficou fora da Copa do Mundo, e o Peru se classificou. Nesta convocação, obviamente, ele não foi lembrado.

Mas Lapadula tratou de se aproximar dos peruanos novamente. Como não atuou pela Itália em partida oficial, poderia "mudar de seleção". A brecha para isso não demorou muito. Gareca tentou um último aceno e foi correspondido para os jogos contra Chile e Argentina, pelas Eliminatórias para próxima Copa do Mundo. E finalmente ele aceitou.

Lapadula já tem sete jogos com a seleção peruana, quatro pelas Eliminatórias e três pela Copa América. Titular absoluto na ausência de Guerrero, que sofre para se recuperar após uma grave lesão pelo Inter, ele já marcou um gol e deu duas assistências nesta edição do torneio.

A torcida vê nele a chance de um novo ídolo. Ainda que não tenha crescido vestindo a camisa vermelha e branca, o atacante já conta com vários aficionados que clamam por "Lapagol".

O Peru encara a Venezuela neste domingo (27), no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Com quatro pontos no grupo B, os peruanos só ficam fora das quartas de final se perderem o jogo e o Brasil for derrotado pelo Equador.

Esporte