PUBLICIDADE
Topo

Seleção Brasileira

Presidente da CBF banca permanência de Tite no comando da seleção

Coronel Antônio Carlos Nunes de Lima concede entrevista após ser eleito novo vice-presidente da CBF - Pedro Ivo Almeida/UOL
Coronel Antônio Carlos Nunes de Lima concede entrevista após ser eleito novo vice-presidente da CBF Imagem: Pedro Ivo Almeida/UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

07/06/2021 15h54

Suplente de Rogério Caboclo, Antônio Carlos Nunes assumiu cargo de presidente da CBF para os próximos 30 dias. Aos 82 anos, o coronel paraense bancou a permanência de Tite no cargo de treinador da seleção brasileira e analisou a situação da Copa América no Brasil.

O coronel usou o conhecido ditado 'time que está ganhando não se mexe' para analisar a situação de Tite. No ponto de vista do novo mandatário, nenhuma mudança deve ocorrer nos próximos dias.

"Eu digo assim: 'Não estamos ganhando?' Saímos vencedores da Copa América (de 2019). E estamos praticamente classificados para a Copa do Mundo. Se ganharmos amanhã (contra o Paraguai), vamos aos 18 pontos. Aquele ditado: em time que está ganhando não se mexe", disse Nunes, em entrevista exclusiva ao jornal 'O Liberal'.

Ao dissertar sobre as polêmicas atuais envolvendo a CBF, o governo federal e a Conmebol, Antônio Carlos riu ao falar que está disposto a assumir 'esse pepino'.

"Está pegando fogo. Essa intriga do futebol é uma intriga gostosa. Pela segunda vez estou assumindo (o comando da CBF), mas não pipocando como agora. E agora me aparece esse pepino. Não é brincadeira, não (risos). É Copa América, é seleção brasileira, jogadores não querendo jogar. É pensar em como administrar bem, como contornar (as polêmicas)", enfatizou.

Por fim, Nunes disse que não se posicionará sozinho sobre a Copa América acontecer ou não. Por isso, prefere esperar os próximos desdobramentos para expor o ponto de vista da entidade no geral.

"Não posso me manifestar sozinho. Temos que criar comissão para chegar e avaliar. Não vou impor nada. Não sei se vão me chamar para me manifestar na CPI", finalizou.

Seleção Brasileira