PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Superliga vai acabar com a Champions? Entenda o que pode mudar no futebol

Florentino Perez, presidente do Real Madrid, será presidente da nova Superliga - Divulgação/Real Madrid
Florentino Perez, presidente do Real Madrid, será presidente da nova Superliga Imagem: Divulgação/Real Madrid

Pedro Lopes

Do UOL, em São Paulo

19/04/2021 04h00

Classificação e Jogos

O futebol europeu foi sacudido ontem com o início de uma guerra legal que pode ser a maior de sua história. Em um comunicado divulgado no início da noite, 12 dos maiores e mais tradicionais clubes do continente anunciaram a fundação da Superliga, administrada pelos próprios times e que substituirá sua participação na Liga dos Campeões. O novo torneio tem participantes fixos, com cinco vagas para clubes menores e sem regras de rebaixamento.

A iniciativa foi recebida com extremo repúdio pela Uefa e por federações nacionais de Inglaterra, Espanha, Holanda e Alemanha. As entidades veem o torneio como uma ameaça, e cogitam excluir os clubes que embarcaram na Superliga de competições nacionais e continentais, e até impedir seus atletas de defender seleções. O UOL Esporte busca responder às perguntas sobre o futuro da Champions League, dos campeonatos europeus e até das seleções nacionais, em uma tempestade que se forma acima de toda a estrutura do futebol mundial.

O que é a Superliga?

A Superliga é uma nova competição fundada por Arsenal, Manchester United, Manchester City, Chelsea, Liverpool, Tottenham, Real Madrid, Barcelona, Atlético de Madri, Juventus, Internazionale de Milão e Milan. Ela planeja ter jogos no meio de semana e substituir a Liga dos Campeões da Europa como o palco dos confrontos entre as maiores estrelas do futebol mundial. Os 12 fundadores e mais três clubes ainda não anunciados são participantes fixos, estão classificados automaticamente todos os anos e jamais ficam de fora; outros cinco clubes participariam, selecionados com base em seu desempenho em campeonatos nacionais.

A Superliga pode acabar com a Liga dos Campeões?

A Superliga não acabaria com a Liga dos Campeões, mas é uma ameaça grave, já que clubes dentre os mais ricos e tradicionais da Europa, com elenco recheados de grandes estrelas, deixariam de disputar a tradicional competição europeia para jogar a nova liga. Com a elite do futebol mundial em uma liga sem rebaixamento e que não aceita entrada de times de menor expressão, a Superliga romperia com todo o sistema estabelecido do futebol europeu e poderia atrair os patrocinadores e esvaziar as demais competições europeias.

Clubes podem ser punidos pela formação da Liga?

Uefa e as federações nacionais de Itália, Espanha e Inglaterra repudiaram veementemente a criação da Superliga e prometem adotar medidas agressivas de punição. Nos comunicados divulgados ontem, avisam que os clubes que aderiram à Liga podem ser excluídos das competições nacionais e desfiliados de suas federações. Além disso, a Uefa também afirma que ela e a Fifa podem proibir que jogadores que atuem pelos clubes participantes da Super Liga defendam suas seleções nacionais, deflagrando a maior guerra jurídica da história do futebol mundial.

Por que essa guerra pode alterar todo o panorama do futebol mundial?

Para o advogado Eduardo Carlezzo, especialista em direito desportivo e ex-diretor jurídico da Primeira Liga, tentativa de liga no Brasil, o caso pode se tornar um precedente similar ao caso Bosman, que levou ao fim do passe após disputa entre um jogador belga e seu clube. "Poderemos ter a maior batalha legal no futebol mundial desde o caso Bosman. A Fifa, a Uefa e as federações devem ter reação imediata e vão buscar lutar contra isso, aplicando punições. O caso possivelmente irá para o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS)".

Para Carlezzo, a briga pode, inclusive, afetar o futebol brasileiro, já que atletas que atuam pelos clubes envolvidos na Super Liga podem ser impedidos de atuarem por suas seleções. Da mesma forma que o caso Bosman sinalizou uma maior independência dos jogadores em relação aos clubes, a Super Liga pode se tornar um caso emblemático para uma maior independência dos clubes em relação às federações.

"A questão central reside na eterna divergência entre a autonomia que os clubes entendem ter para definir sua própria vida, por um lado, e por outro na existência de um sistema federativo fechado há muitos anos que não permite competições entre clubes que não sejam autorizadas por federações ou confederações".

Tite ainda pode convocar jogadores dos 12 clubes para a seleção?

Por enquanto, sim. Nenhuma punição foi aplicada até o momento, e qualquer medida que atinja a seleção brasileira precisaria ser anunciada pela Fifa. A entidade máxima do futebol afirmou ontem que "desaprova uma liga europeia fechada, à margem das estruturas internacionais de futebol e que não respeita os princípios acima mencionados", mas pediu "diálogo construtivo, pelo bem do jogo e que tenha por base o espírito da solidariedade e do fair-play". A CBF acompanha o desenrolar da situação, mas não há, no momento, nenhuma medida a ser tomada.

As semifinais da Champions League de 2021 ainda irão ocorrer?

Não há, até o momento, qualquer anúncio de interrupção da edição atual da Liga dos Campeões, que tem nas semifinais Manchester City, PSG, Chelsea e Real Madrid —três dos quatro clubes estão envolvidos na Superliga. Veículos da Inglaterra e da França publicaram na noite de domingo que a edição 2021 da Liga dos Campeões correrá normalmente até o final.

O PSG de Neymar aderiu à Superliga?

Até o momento, o PSG indicou que não vai aderir ao novo torneio. Nasser al-Khelaifi, presidente do PSG, preside também o BeIN Media Group, grupo detentor dos direitos de transmissão da Champions League. O Bayern de Munique, da Alemanha, também não aderiu.

Quando começa a Superliga?

Ainda não há data marcada, mas os clubes fundadores falam em agosto ou em "assim que for praticável".

Qual será a fórmula de disputa?

Aos 12 clubes fundadores, se juntarão mais três participantes fixos, ainda não anunciados. Além dos 15 clubes fixos, outro cinco clubes serão convidados com base no desempenho em outras competições, com um total de 20 participantes. Os 20 serão divididos em dois grupos de 10 - membros de cada grupo se enfrentam em jogos de ida e volta. Oito clubes de classificam para a fase final, disputada em um tradicional mata-mata, com quartas de final, semifinal e final.

Futebol