PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

"Efeito Felipão" funciona e Cruzeiro vence o Operário na estreia do técnico

Nível técnico do jogo em Ponta Grossa foi bem baixo pela falta de qualidade das duas equipes - João Vitor Rezende Borba/AGIF
Nível técnico do jogo em Ponta Grossa foi bem baixo pela falta de qualidade das duas equipes Imagem: João Vitor Rezende Borba/AGIF

Do UOL, em Belo Horizonte

20/10/2020 23h24

O jogo, do ponto de vista técnico, não "foi lá essas coisas", mas o resultado foi importantíssimo para o Cruzeiro, que venceu o Operário por 1 a 0, hoje, no estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa, na 17ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. O gol da Raposa foi marcado por Arthur Caíke.

A chegada de Felipão surte efeito logo no primeiro jogo e o Cruzeiro voltou a vencer após quatro partidas de jejum. Com o resultado a Raposa sobe duas posições de forma provisória, chega ao 17º lugar, e aguarda a partida do Figueirense para saber sua posição real ao fim da rodada.

O Operário-PR, por sua vez, ficou com 22 pontos e segue em décimo.

Quem foi bem: Ricardo Silva e Arthur Caíke

Bem posicionado, Ricardo Silva apareceu sempre que os atacantes do Cruzeiro ameaçavam uma investida com mais perigo. Foi um leão no setor defensivo e ganhou a maioria das disputas 1 x 1. Só não foi capaz de impedir o gol de Arthur Caíke, que fez o gol da vitória do Cruzeiro, na sua terceira tentativa ofensiva. Destaque também para o meia-atacante Airton, que entrou bem no segundo tempo e deu a assistência para o gol cruzeirense.

Quem foi mal: Marquinhos Gabriel

Apesar de sem bem acionado e de a bola passar muito pelos seus pés, não conseguiu emplacar uma grande jogada ofensiva. Seu lance de maior destaque foi uma cobrança de falta defendida pelo goleiro Thiago Braga e uma discussão no primeiro tempo com um jogador do Operário, após ter caído na área na tentativa de cavar um pênalti. Foi substituído aos 26 minutos do segundo tempo

Posse de bola sem efetividade

O Cruzeiro voltou a mostrar um problema que não é novo. O time segura a bola, troca passes, fica na intermediária do adversário, mas tem dificuldade em agredir a defesa adversária. Apesar de o Operário ter custado a chegar ao gol do Fábio, e quando o fez foi com perigo nos minutos finais do jogo, obrigando o goleiro celeste a fazer um milagre, os jogadores cruzeirenses também não conseguiam definir com muita qualidade. O velho problema da criação de jogadas, falta de criatividade e inoperância na quebra de linhas defensivas do rival ficaram novamente evidentes.

Gol salvador

Apesar da dificuldade, Arthur Caíke acabou fazendo um gol importante após muita luta do ataque. A jogada contou com a velocidade do meia-atacante Airton, que entrou bem na segunda etapa.

Mandante sem força

O Operário mostrou também um futebol bem questionável, também com dificuldade de formatar um pensamento ofensivo. Quando chegou à meta de Fábio, na maioria das vezes, o fez por um erro do próprio Cruzeiro. O time não mostrou também criatividade no início das jogadas de ataque.

No fim da partida, já com 1 a 0 desfavorável, o Operário até pressionou, parou nas mãos de Fábio, que fez uma defesa milagrosa, e garantiu a vitória cruzeirense.

FICHA TÉCNICA

OPERÁRIO-PR 0 X 1 CRUZEIRO

Local: Germano Krügger, Ponta Grossa
Data: 20 de outubro de 2020, terça-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Diego Pombo Lopez
Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Matos e Edevan de Oliveira Pereira
Cartões amarelos: Peixoto, Marcelo, Ricardo Silva, Sávio e Douglas Coutinho (Operário-PR); Adriano e Matheus Pereira (Cruzeiro)
Gol: Arthur Caíke, aos 40 minutos do segundo tempo (Cruzeiro)

OPERÁRIO-PR: Thiago Braga; Sávio, Rafael Bonfim, Ricardo Silva, Peixoto; Leandro Vilela, Marcelo, Thomaz; Maranhão, Douglas Coutinho, Jefinho. Técnico: Joel Preisner.

CRUZEIRO: Fábio; Rafael Luiz, Cacá, Ramon, Matheus Pereira; Adriano, Jadsom, Régis, Marquinhos Gabriel; Arthur Caíke, Marcelo Moreno. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Cruzeiro