PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Everton ergue taça, chora e já fala como ex-Grêmio: "Dever cumprido"

Pedro H. Tesch/AGIF
Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

Do UOL, em Porto Alegre

05/08/2020 23h53

Everton Cebolinha praticamente disse adeus ao Grêmio, logo depois da vitória por 2 a 0 em cima do Internacional e conquista do returno do Campeonato Gaúcho. O atacante recebeu a braçadeira de capitão de Pedro Geromel para erguer a taça e depois, afirmou que a saída está muito próxima e depende de detalhes burocráticos. Na entrevista, se emocionou ao falar da trajetória em Porto Alegre.

O Benfica negocia com o Grêmio a contratação de Cebolinha. A oferta é de 22 milhões de euros, mas os clubes ainda discutem condições e cláusulas adicionais.

"Então, cara… Pode ser o último (jogo pelo Grêmio) como não pode. Vamos ver durante a semana. Faltam alguns detalhes, mas a gente está com situação realmente avançada. Só quero agradecer a esse clube, por tudo, e por terminar como capitão", disse Everton ao Premiere, ainda no gramado da Arena do Grêmio.

Ao longo do dia, Cebolinha chegou a ter participação no Gre-Nal colocada em dúvida. No fim, jogou como titular e com destaque. Ao falar da negociação, foi claro.

"(Faltam) Alguns detalhes, cara. Coisas burocráticas, porcentagens, talvez se defina essa semana", afirmou o camisa 11 do Grêmio.

Ao falar do jogo, das chances perdidas para marcar gol, Everton foi ainda mais definitivo.

"Saio com sensação de dever cumprido. Foram oito anos nesse clube. Creio que pude honrar essa camisa da melhor maneira possível. Cheguei aqui com 16 anos, ganhei vários títulos. A sensação é de dever cumprido", declarou. "Eu não nasci gremista, mas virei gremista. Vou levar para minha vida. Aprendi a amar o Grêmio", completou.

Futebol