PUBLICIDADE
Topo

Grêmio define nomes do Cruzeiro que agradam em possível acordo por Ferreira

Ferreira, atacante do Grêmio, é um nome que agrada à diretoria do Cruzeiro no mercado da bola - Lucas Uebel/Grêmio FBPA
Ferreira, atacante do Grêmio, é um nome que agrada à diretoria do Cruzeiro no mercado da bola Imagem: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Jeremias Wernek e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte e Porto Alegre

31/07/2020 04h00

O Grêmio definiu jogadores do Cruzeiro que o agradam nas tratativas pela liberação de Ferreira. Os gaúchos apresentaram uma lista com quatro nomes que poderiam reforçar o elenco comandado por Renato Portaluppi ou o chamado time de transição, a equipe B. O zagueiro Paulo Eduardo e os atacantes Caio Rosa, Stênio e Alejandro agradam.

Os atletas citados pelo clube de Porto Alegre nas conversas são tratados como joias na Toca da Raposa. A diretoria de futebol cruzeirense faz jogo duro para liberá-los no mercado da bola. Entretanto, ainda não se posicionou sobre o envolvimento de um dos quatro atletas em uma negociação pela aquisição do atacante de 22 anos.

As tratativas estão avançando nos últimos dias, mesmo que o Athletico-PR também já tenha manifestado interesse em contar com o atleta. Os mineiros querem a contratação do atacante em definitivo. Ele foi uma indicação do treinador Enderson Moreira ao departamento de futebol da Raposa.

O atacante Ferreira tem contrato com o Tricolor gaúcho até julho de 2021. Todavia, acionou o clube na Justiça em fevereiro deste ano ao pedir a rescisão de contrato com o clube. À época, a diretoria e ele estavam em meio às negociações para a renovação do compromisso.

Tratado como uma promessa das divisões de base do Grêmio, o atacante iniciou as conversas para renovar o seu vínculo ainda em fevereiro. Sem acordo salarial, ficou fora da lista de inscritos de Renato Gaúcho na Libertadores e deixou o elenco principal para treinar com o time B. Pouco tempo mais tarde, o Athletico-PR formalizou uma oferta pelo atleta.

Em meio a tudo isso, Ferreira acionou o Grêmio na Justiça, pedindo a rescisão unilateral do seu acordo. À época, ele alegou constrangimento e coação com a ida para a equipe reserva.

Futebol