PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Mauro Cezar: "Do ponto de vista econômico, mata-mata é pouco inteligente"

Do UOL, em São Paulo

26/03/2020 12h00

Classificação e Jogos

Alguns dirigentes aventaram a possibilidade de um Campeonato Brasileiro com o mata-mata, formato utilizado pela última vez na competição em 2002, antes de ser implantado o sistema atual, de pontos corridos em turno e returno. Outra sugestão após a paralisação causada pela pandemia do novo coronavírus seria fazer o nacional com apenas um turno.

No podcast Posse de Bola #25, Mauro Cezar Pereira critica as sugestões e cita que as emissoras que detêm os direitos de transmissão são protegidas pelos contratos e não pagariam os valores que são praticados atualmente com a disputa de 38 rodadas e um total de 380 jogos. Além disso, a venda de programas de sócio-torcedor também poderia sofrer uma baixa.

"O Campeonato Brasileiro de futebol em pontos corridos, ele é o que garante, além do faturamento de bilheteria e tudo mais ao longo das 38 rodadas, é ele que garante por exemplo que você tenha a nossa versão brasileira do carnê de temporada, que se falava na Europa, que é o sócio-torcedor. O sócio-torcedor do Brasil tem basicamente se sustenta de que? De ingresso, prioridade na compra de ingresso para você poder frequentar os jogos do seu time. Se você não tiver as 19 rodadas em casa, num campeonato de turno e returno, isso já fica tremendamente comprometido. Já vai abalar aí a estrutura financeira de muitos clubes", afirma o jornalista (disponível no vídeo acima a partir de 44:57).

"Isso é de uma burrice impressionante e é óbvio, isso aí não é um chute, é uma informação. Os contratos protegem a televisão e a televisão, obviamente, não vai chegar e oferecer a mesma quantia de dinheiro por uma diferença de jogos tão grande. A diferença é essa. Se repetirem eventualmente o formato adotado até 2002, são 19 jogos, depois oito se classificam, aí vão quatro para a semifinal e os dois finalistas, são 204 partidas, são 176 jogos a menos em relação aos pontos corridos", completa Mauro.

O blogueiro do UOL também coloca na conta o pay-per-view, outra fonte de renda dos clubes, que teria uma redução significativa no pagamento devido ao número menor de jogos.

"Se você fizer isso vai sacrificar o pay-per-view, ou seja, do ponto de vista da economia isso é pouco inteligente, para dizer o mínimo. Isso não vai seguir adiante, não acredito que isso vá funcionar, não vejo como possa funcionar", finaliza Mauro Cezar.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter). A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts.

Você pode ouvir o Posse de Bola em seu tocador favorito, quando quiser e na hora que quiser. O Posse de Bola está disponível no Spotify e na Apple Podcasts, no Google Podcasts e no Castbox . Basta buscar o nome do programa e dar play no episódio desejado. No caso do Posse de Bola, é possível ainda ouvir via página oficial do UOL e YouTube do UOL. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Futebol