PUBLICIDADE
Topo

Como foi a temporada 2020 do Internacional antes da paralisação

O Internacional encontrou caminho com Coudet e empolgava até a paralisação nas competições - Maxi Franzoi/AGIF
O Internacional encontrou caminho com Coudet e empolgava até a paralisação nas competições Imagem: Maxi Franzoi/AGIF

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

21/03/2020 04h00

O Internacional começou a temporada 2020 cheio de expectativas. A chegada do técnico Eduardo Coudet e sua comissão técnica trouxe a esperança de um futebol ofensivo, propositivo e intenso para os aficionados vermelhos.

E foi exatamente o que se viu nos primeiros jogos do ano. A ruptura com o modelo de jogo defensivo de 2019 e, aos poucos, a fixação de uma nova postura. O Colorado conseguiu atacar como deveria e mostrava, até a paralisação nas competições, evoluções importantes.

Em campo, o time conseguiu superar as duas eliminatórias da pré-Libertadores vencendo Universidad de Chile e Tolima. Estreou na fase de grupos batendo o Universidad Católica e empatou o clássico Gre-Nal na Arena. Ainda não sofreu gols na competição continental e lidera a chave E.

No Estadual, porém, perdeu para o Grêmio na semifinal do primeiro turno e ficou fora da decisão, ainda que tenha encerrado a fase de grupos como líder de sua chave. No returno novamente lidera o grupo com sete pontos.

Aproveitamento do time no ano

O Internacional disputou 15 jogos oficiais na temporada, venceu nove, empatou cinco e perdeu apenas um, gerando aproveitamento de 71%. A equipe marcou 23 gols e sofreu sete.

Qual a avaliação da comissão técnica e o time ideal

Ricardo Duarte/Inter
Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Eduardo Coudet percebeu evoluções importantes no time. Depois de demorar para achar um jogador que executasse a função central do meio-campo — com testes com Johnny, Lindoso e Nonato — o posto foi ocupado por Edenilson. As entradas de Marcos Guilherme e Boschilia deram velocidade na criação, e a troca mais sensível aconteceu perto da suspensão dos jogos oficiais, com a saída de D'Alessandro para entrada de Thiago Galhardo.

Aos poucos, o modelo de jogo foi compreendido e o técnico argentino ficou empolgado com a aceitação do elenco. Todos estão empenhados em ouvir as indicações dele e crescer coletivamente. Os pilares formados por Musto e Saravia, que já o conheciam de trabalhos anteriores, também ajudaram na construção da ideia.

O time estava prestes a ser solidificado com a saída de Rodinei para entrada de Saravia na direita. E o bom rendimento no Gre-Nal havia firmado as trocas no meio e no ataque. Marcelo Lomba; Saravia, Bruno Fuchs, Cuesta e Moisés; Musto, Edenilson, Marcos Guilherme e Boschilia; Paolo Guerrero e Thiago Galhardo formavam o time ideal até a parada.

Surpresa positiva: Thiago Galhardo

Ricardo Duarte/Inter
Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Contratado para ser alternativa ao ataque, Galhardo se firmou na equipe. Autor de quatro gols, ele conquistou em campo sua posição e desbancou o principal ídolo do clube atualmente.

Uma decepção: Rodrigo Lindoso

Ricardo Duarte/Inter
Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Destaque do time desde a lesão de Rodrigo Dourado, Rodrigo Lindoso não conseguiu encontrar seu espaço no time de Eduardo Coudet. Sem boas atuações na segunda função do meio, ele acabou virando reserva de Musto.

Precisa de reforços?

Coudet pediu mais um atacante para a direção do Inter. Apesar da chegada de Gustagol, o treinador acredita que seja necessário mais um homem de frente para poder alternar titulares e reservas dentro de seu modelo de jogo. Não está descartada, também, a contratação de outro zagueiro e mais um meio-campista. A direção sonhava com o chileno Charles Aránguiz, mas o jogador renovou o seu contrato com o Bayer Leverkusen-ALE. Oscar chegou a ser avaliado, mas é considerado totalmente fora dos padrões financeiros do clube.

Estatísticas

Artilheiro: Thiago Galhardo (4)
Líder em assistências: D'Alesandro (3)
Desarmes: Rodrigo Lindoso (24)
Quem mais jogou (minutos): Marcelo Lomba - 13 jogos (1.170 minutos)
Quantos jogadores foram a campo: 33

Qual foi o melhor jogo e o pior?

O melhor jogo do Inter na temporada foi, sem dúvida, a vitória por 3 a 0 contra Universidad Católica, pela primeira rodada do Grupo E da Libertadores. Ali, Eduardo Coudet começou a firmar a ideia de time ideal e encontrou a melhor movimentação dentro de suas ideias de jogo.

Por outro lado, o confronto com Ypiranga, com os reservas representando a equipe, foi o jogo em que o Inter esteve mais longe do ideal. Pouco criou, não conseguiu achar espaços e acabou ficando no 0 a 0, fora de casa.

Qual o emoji que define o estado de espírito do torcedor?

Reprodução
Imagem: Reprodução

Internacional