PUBLICIDADE
Topo

Possível patrocínio da Havan divide politicamente torcida do Vasco

Alexandre Campello, presidente do Vasco, e Luciano Hang, dono da Havan, em reunião na sede da empresa - Divulgação / Twitter de Luciano Hang
Alexandre Campello, presidente do Vasco, e Luciano Hang, dono da Havan, em reunião na sede da empresa Imagem: Divulgação / Twitter de Luciano Hang

Alexandre Araújo e Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

12/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Vasco e Havan se reuniram na última terça-feira (10) na sede da empresa e deixaram encaminhados um patrocínio ao clube em 2020
  • O possível patrocínio da rede de departamentos catarinense promoveu uma divisão política na torcida vascaína
  • Luciano Hang, dono da Havan, é um dos principais apoiadores do Presidente da República, Jair Bolsonaro, e tem uma relação próxima com o político
  • Vascaínos de esquerda contestam a possibilidade e citam questões históricas do clube que, na concepção deles, vai de encontro ao perfil da empresa
  • Já os de direita, ou que possuem um posicionamento neutro, rebatem tais argumentos alegando que não se deve misturar ideologias políticas com o Vasco.
  • Novas reuniões entre Vasco e Havan devem acontecer nas próximas semanas

A campanha de associação em massa do Vasco fez com que torcedores de correntes opostas do clube se unissem em prol do objetivo maior de fortalecer o programa de sócio-torcedor, mas passada uma semana do Cruzmaltino ter alcançado o recorde da América Latina, ele se vê diante de uma nova divisão entre os vascaínos, desta vez por conta de ideologias políticas contrárias motivadas pelo cada vez mais próximo patrocínio da rede de departamentos "Havan", do empresário Luciano Hang, um dos principais apoiadores do atual presidente da República, Jair Bolsonaro.

Vascaínos com viés de esquerda contestam a possibilidade e citam questões históricas do clube que, na concepção dos mesmos, vai de encontro ao perfil da empresa e, principalmente, de seu dono, que possui uma relação estreita com Bolsonaro.

Já os de direita, ou que possuem um posicionamento neutro, rebatem tais argumentos alegando que não se deve misturar ideologias políticas com o Vasco.

O certo é que a polêmica já chegou à diretoria mas, neste primeiro momento, ela não tem sido colocada como um fator preponderante.

Presidente vascaíno, Alexandre Campello foi pessoalmente à sede da Havan na última terça-feira (10), onde teve à sua disposição um helicóptero enviado por Luciano Hang.

O empresário ficou muito impressionado com a apresentação dos números e projeções do Vasco mostrados pelo dirigente e, inicialmente, se interessou por efetivar um patrocínio para as mangas da camisa e nas placas de publicidade, embora as propriedades das costas e calção também tivesse sido ofertadas.

Outro ponto que despertou interesse em Hang foi a possibilidade de financiar um "naming rights" para uma das futuras torres após a reforma de São Januário e para um mini estádio no centro de treinamento, ambos previstos em projetos feitos pela diretoria.

Após a produtiva reunião - como foi considerada por ambas as partes - os departamentos financeiros e de marketing de Vasco e Havan avaliam os próximos passos para o fechamento da parceria. Outros encontros estão previstos.

Veja tuítes de vascaínos expondo suas opiniões sobre o possível patrocínio:

Vasco