PUBLICIDADE
Topo

Palaia homenageado e volta de Nobre: Palmeiras tem mês agitado na política

Danilo Lavieri

Do UOL, em São Paulo

12/12/2019 14h07

O mês de dezembro ainda não chegou nem à sua metade e já agitou a rotina da política do Palmeiras. Se os jogadores estão de férias e a torcida, aguardando com ansiedade o possível acerto com Jorge Sampaoli, as alamedas do Palestra Itália têm vivido dias intensos de articulação.

Após acertar com Anderson Barros, o presidente Maurício Galiotte agora concentra seus esforços em acertar o substituto de Mano Menezes. Ele tem acompanhado toda a movimentação política à distância e com a ajuda de seus vices, que vêm trabalhado ativamente no dia a dia do clube.

Palaia homenageado

Palaia foi presidente do Palmeiras durante a internação de Belluzzo - Fábio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação
Palaia foi presidente do Palmeiras durante a internação de Belluzzo
Imagem: Fábio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação

Em reunião feita na semana passada, o COF (Conselho de Orientação e Fiscalização) permitiu que Maurício Galiotte homenageasse Salvador Hugo Palaia como um ex-presidente. O pedido foi liderado pela UVB (União Verde e Branca) e assinado por Wlademir Pescarmona. Palaia, inclusive, já foi colocado na galeria do site de ex-presidentes e terá uma foto colocada no camarote da presidência.

O empresário foi presidente "tampão" por menos de dois meses (segundo o site oficial) em 2010 devido à internação de Luiz Gonzaga Belluzzo, e sua nomeação como ex-presidente levantou um debate no clube. Com a homenagem, chegou-se a cogitar que ele teria direito a participar das reuniões do COF como membro nato, assim como todos os que já foram presidentes. Sua presença seria importante para dar à situação mais segurança na vitória em votações de aprovação de contas que têm sido bastante apertadas nos últimos meses. A diretoria nega que ele terá poderes de membro nato do COF e diz que o ato é só de homenagem.

Aprovação de orçamento para 2020

Seraphim Del Grande, presidente do Conselho Deliberativo, marcou a reunião para a aprovação da previsão orçamentária para 2020. No dia 20 de dezembro, os conselheiros se reúnem para a votação do que Galiotte e companhia consideram ideal para o planejamento da próxima temporada. Com déficit que chega na casa dos R$ 40 milhões considerando as contas até outubro, o clube vive dias de contestação pelo mau uso das receitas.

Seraphim del Grande convocou reunião do Conselho para o dia 20 de dezembro - Fábio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação
Seraphim del Grande convocou reunião do Conselho para o dia 20 de dezembro
Imagem: Fábio Menotti/Ag. Palmeiras/Divulgação

Comitê gestor questionado

A ideia de Maurício Galiotte de ter um comitê gestor para comandar o futebol tem sido bastante questionada pela oposição e até pela situação. O presidente ainda não se pronunciou sobre a intenção de criar o grupo e não deixou claro os critérios usados para a escolha dos membros. Tudo o que se sabe até agora é que a ideia é diminuir o poder do diretor executivo contratado. Anderson Barros, que foi oficializado ontem, já chega sabendo que não terá poderes plenos.

Nobre se reuniu com apoiadores que discutem seu retorno ao Palmeiras em 2021 - Reprodução
Nobre se reuniu com apoiadores que discutem seu retorno ao Palmeiras em 2021
Imagem: Reprodução

Campanha pelo retorno de Nobre

Com as dificuldades do fim de ano, a oposição afirma que o Palmeiras precisa de uma alternativa. Ontem, o ex-presidente Paulo Nobre se reuniu com seus homens de confiança e conversou sobre uma possível volta ao cenário político do clube. Ele seria o nome ideal na visão de seus correligionários para concorrer com Leila Pereira na eleição de 2021.

Depois de renunciar à vitaliciedade e à vaga no conselho, ele precisaria ser reeleito pelos associados para voltar ao Conselho e, então, passar pelo filtro para lançar sua candidatura no clube.

Palmeiras