Topo

Futebol


Acionistas da Ferroviária aprovam venda para herdeiro das Casas Bahia

Saul Klein (em foto de 2012) vai assumir o controle acionário da Ferroviária S.A. - Leticia Moreira/ Folhapress
Saul Klein (em foto de 2012) vai assumir o controle acionário da Ferroviária S.A. Imagem: Leticia Moreira/ Folhapress

Rodrigo Viana

Colaboração para o UOL, em Araraquara (SP)

20/11/2019 08h30

Resumo da notícia

  • Aquisição da Ferroviária S.A. por Saul Klein foi aprovada por unanimidade em reunião de acionistas
  • Klein tem a companhia de Giuliano Bertolucci, influente agente de jogadores, na operação
  • Roque Júnior segue como diretor de futebol; clube agora espera definição sobre goleiro Tadeu
  • Tadeu está emprestado ao Goiás, que tem encaminhada a compra de 50% de seus direitos

O empresário Saul Klein, herdeiro das Casas Bahia, não compareceu à reunião do conselho de acionistas da Ferroviária realizada ontem à noite às 19h. Não foi necessário: em um encontro que durou por cerca de três horas, a compra do clube de Araraquara (SP) foi acertada com um representante do investidor, o executivo Marcelo Teixeira, que já está envolvido nas operações da nova diretoria.

A venda para Klein foi aprovada por unanimidade, pelos 12 acionistas presentes da Ferroviária S.A. Oficialmente, o clube-empresa foi adquirido pela "MS Sports", que é simplesmente um braço esportivo para atender aos interesses de Klein. O agente Giuliano Bertolucci também está envolvido na aquisição, ficando a partir de agora responsável pela gestão das categorias de base, enquanto Klein se concentrará no time profissional.

Depois da fundação da Ferrinha em 12 de abril de 1950, a expectativa na cidade interiorana é de que essa também seja das datas mais importantes do clube. "Não houve ninguém contra. Estou muito emocionado. Eu frequentava as arquibancadas com meu pai desde criança e estou orgulhoso disso tudo. Muitos clubes até da Série A estão com uma pontinha de inveja do que está acontecendo, com um investidor do porte deste que está chegando na Ferroviária", afirmou o atual presidente da agremiação, Carlos Alberto Salmazo, ao UOL.

Em tom de despedida, Salmazo escreveu na terça-feira (18) uma carta aos torcedores. Apesar de não admitir de maneira oficial, o presidente vai deixar o clube no final do ano para que um nome de confiança de Saul Klein assuma o comando. Apaixonado por futebol, Klein é uma das maiores fortunas do país. Especula-se que ele tenha vendido sua participação nas Casas Bahia ao irmão Michael, em 2010, por R$ 5 bilhões. O valor do negócio de aquisição da Ferroviária também não foi revelado: "Isso interessa ao investidor e ao Fisco", disse Salmazo.

O empresário, que foi o mecenas do São Caetano que deu trabalho às grandes potências do futebol brasileiro na década passada (sendo vice-campeão da Libertadores em 2002 e campeão paulista em 2004), chegou a fazer uma busca no mercado paulista por possibilidades de compra, até optar pela Ferroviária. Ele acabou se afastando do clube do ABC Paulista devido a desentendimentos com o presidente Nairo Ferreira de Souza. "Um dos assessores me falou que ele não quer mais investir e depois se arrepender", completou Salmazo.

A promessa dos novos acionistas é de investir não só em contratações para o time de cima, mas também em infraestrutura, com a construção de um Centro de Treinamento completo, com academia, alojamento, refeitório e um centro médico. Em sua carta aos acionistas, o novo grupo afirma que a meta é por a Ferroviária na Série A brasileira em cinco anos. O clube vai jogar em 2020 a primeira divisão do Paulista e a Série D nacional.

Conforme adiantado pelo UOL, o pentacampeão mundial Roque Júnior segue como diretor do futebol do time profissional masculino da Ferroviária. Segundo uma fonte próxima, Klein confia muito nas ideias do ex-jogador, que idealiza um sistema de jogo único praticado dentro do clube, das divisões de base à principal. "O Roque está muito ansioso pra que a reunião de hoje à noite passe rápido e ele possa começar a anunciar os nomes", disse Salmazo.

O vitorioso projeto de futebol feminino da Ferroviária também será mantido. A equipe é a atual campeã brasileira, tendo superado o Corinthians na decisão.

Negócios imediatos

O grupo de Saul Klein já vem conduzindo operações pela Ferroviária nos últimos dias. Um dos negócios que a nova administração já vai ter de lidar diz respeito ao futuro do goleiro Tadeu, hoje cedido ao Goiás e um dos destaques do Campeonato Brasileiro. Ele é, segundo o Footstats, o líder em defesas difíceis da competição.

O desempenho de Tadeu obviamente não passou despercebido pela concorrência. O arqueiro consta na lista de sondagens de diversos clubes. O Red Bull Bragantino, que conquistou nas últimas semanas o acesso à Série A e o título da Série B, seria um dos interessados. Mas, de momento, o entendimento da diretoria araraquarense é de que ele deve permanecer no Goiás.

O clube, que já desembolsou uma quantia não revelada pelo empréstimo do arqueiro, já comunicou que vai exercer uma opção de compra de 50% de seus direitos federativos por R$ 1 milhão. O contrato, porém, prevê que a quantia para a aquisição comece a ser paga a partir de janeiro, segundo a assessoria do time goiano, com o qual o jogador já teria apalavrado um novo contrato de quatro anos de duração. O Goiás tem a prioridade de compra, mas há um detalhe: "Caso alguém vá até a Ferroviária e ofereça um valor maior, eles (Goiás) terão que cobrir a proposta para não perder o jogador (Tadeu) ", disse o empresário do goleiro, Alexandre Luz.

Consultado, o atual presidente da Ferroviária, Salmazo, afirmou que Tadeu tem contrato com o time de Araraquara até junho de 2020. O que é fator a interferir em qualquer negociação, uma vez que ele poder acertar um pré-contrato com qualquer clube interessado já no último semestre de seu vínculo vigente.

Além do valor arrecadado com uma possível venda do goleiro Tadeu, a nova Ferroviária de Saul Klein pretende lucrar também no futebol feminino. Um dos destaques da equipe e jogadora da seleção brasileira, a meia-atacante Aline Milene recebeu propostas do Corinthians, Santos, São Paulo, Palmeiras, Grêmio e Cruzeiro, além de equipes da Europa. Por conta da chegada do novo investidor, que garante um orçamento próprio para o futebol feminino, a jogadora estaria disposta a ficar na Ferroviária.

Futebol