Topo

Mais regular do São Paulo, Tchê Tchê celebra ser "útil em várias funções"

Marcello Zambrana/AGIF
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Arthur Sandes

Do UOL, em São Paulo

06/09/2019 04h00

Aconteça o que for, o meio-campo do São Paulo funciona em torno de um jogador específico: Tchê Tchê. Ele não perde um minuto de jogo sequer desde a Copa América, reforça a função de pilar da equipe e desponta como um dos destaques da temporada tricolor pelos números que tem.

No Brasileirão, Tchê Tchê é o jogador de linha do São Paulo que mais joga (1.436 minutos em campo), o que mais troca passes (602) e o segundo que mais desarma (24), segundo números do footstats. A regularidade é o que mais chama a atenção: além da sequência de oito jogos completos desde a Copa América, o volante foi titular em todos os jogos que esteve à disposição de Cuca no São Paulo - só perdeu um, por suspensão.

"Jogar futebol é o que eu mais amo fazer na vida, então, quero sempre estar jogando. Procuro estar focado, fisicamente sempre bem, para poder render em alto nível e ajudar meus companheiros", diz Tchê Tchê ao UOL Esporte, explicando o segredo para tantos jogos consecutivos em um time que sempre muda. "Não sei se 'fominha' é o termo correto, mas tem que ser comprometido, profissional."

A sequência de Tchê Tchê é algo raro no São Paulo, comparável apenas a Reinaldo e Bruno Alves - este, aliás, virou reserva nas últimas semanas. O clube tem sofrido com muitas contusões e consequentes desfalques de peso, incluindo o meio-campo: atualmente Liziero tenta ter sequência mais uma vez, enquanto Hernanes está em recuperação, por exemplo.

Desde que estreou pelo São Paulo, Tchê Tchê jogou 94,5% do tempo em que a equipe esteve em campo (1.617 minutos) - Marcello Zambrana/AGIF
Desde que estreou pelo São Paulo, Tchê Tchê jogou 94,5% do tempo em que a equipe esteve em campo (1.617 minutos)
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
"Infelizmente, aconteceram algumas lesões, e acaba atrapalhando um pouco, mas o ponto positivo é que quem entra tem mantido a mesma intensidade e qualidade", defende Tchê Tchê, que tem visto as mudanças acontecerem com frequência no seu entorno.

Desde que assumiu o São Paulo, Cuca só teve todos os meio-campistas à disposição em um único jogo, o que lhe obriga a buscar alternativas o tempo todo. O cenário faz de Tchê Tchê um coringa, que ajusta sua função no meio-campo a depender de quais companheiros estejam ao seu redor.

"Sinceramente, isso não é novidade para mim", explica o jogador. "Foi assim praticamente na minha carreira toda; consegui e venho conseguindo ser útil em várias funções. É uma característica minha, tenho uma boa adaptação nas funções que o treinador pede. Procuro jogar sempre pensando no coletivo, nos meus companheiros e vem dando certo", completa.

Tchê Tchê sofreu um trauma no pé direito no empate sem gols com o Grêmio e ainda não está 100% livre das dores, mas deve ter condições de jogo para seguir como titular do São Paulo neste final de semana. O Tricolor visita o Internacional no Beira-Rio, às 19 horas (de Brasília) de amanhã, em jogo da 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.