Topo

Rogério Ceni desembarca em Belo Horizonte e fala em reerguer o Cruzeiro

Do aeroporto, Rogério foi direto para a Toca da Raposa e começou a conhecer a estrutura do Cruzeiro - Cruzeiro/Divulgação
Do aeroporto, Rogério foi direto para a Toca da Raposa e começou a conhecer a estrutura do Cruzeiro Imagem: Cruzeiro/Divulgação

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

13/08/2019 10h09

O técnico Rogério Ceni já está em Belo Horizonte para iniciar sua história no Cruzeiro. O treinador desembarcou por volta das 7h30 no Aeroporto de Confins e foi recebido por alguns torcedores. De lá, seguiu para a Toca da Raposa, onde começará a conhecer a estrutura do clube. Às 14h30, será oficialmente apresentado.

"Para mim, é uma honra estar usando o azul do Cruzeiro agora. Espero corresponder, poder fazer um trabalho bacana. Um trabalho que a gente possa reerguer nesse momento de dificuldade que o Cruzeiro enfrenta", disse o treinador, que vai assinar contrato até dezembro de 2020.

Primeira opção da diretoria, Rogério também conta com a aprovação dos jogadores e já foi elogiado por alguns atletas desde o último fim de semana, quando foi confirmado como novo comandante.

Divulgação/Cruzeiro
Imagem: Divulgação/Cruzeiro

"Agradeço, logicamente, à boa vontade de todos. Eu sei que hoje você fala dos jogadores. Normalmente, todos gostam de você. Mas depois da primeira rodada, alguns já não gostam muito, porque começam onze jogando. Mas eu torço para que o grupo tenha desejos, tenha vontades, ímpeto, porque, afinal de contas, nós somos coadjuvantes, os atletas é que decidem. Eu já tive do outro lado, como atleta, até pouco tempo atrás. Se eles acreditarem no trabalho e tiverem desejos de sair dessa situação, sem dúvida nenhuma o Cruzeiro consegue", declarou.

Escolha pelo Cruzeiro

Nas breves palavras, ainda no aeroporto, Rogério também foi questionado sobre a escolha pelo Cruzeiro. Vale lembrar que o rival Atlético-MG também chegou a procurar o treinador recentemente, mas Ceni preferiu ficar no Fortaleza na época.

"São duas grandes equipes. Há quatro meses, eu não poderia trabalhar em lugar nenhum do Brasil porque eu estava no meio de duas finais de campeonato estadual e da Copa do Nordeste pelo Fortaleza. Então, pelo respeito que tenho pelo clube (Fortaleza), mas não só o respeito, mas o desejo de ser campeão. Se eu tivesse aqui no Cruzeiro, eu também não iria para lugar nenhum no mundo. Então, são momentos completamente distintos. Agora, viemos aqui para um desafio maior, em um momento de baixa, que não é normal para o Cruzeiro", disse.

Cruzeiro