Topo

Cotovelada em Nico López reacende rusga de Edilson com Inter

Siga o UOL Esporte no

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

14/05/2019 04h00

A agressão no final do jogo, quando acertou uma cotovelada em Nico López, foi só mais um episódio na conturbada relação entre Edilson e o Inter. Ex-lateral do Grêmio, o jogador do Cruzeiro tem histórico de problemas com o time vermelho que vão desde agressões até provocações dentro e fora de campo.

Edilson tem história ligada ao Tricolor. Contratado em 2010, esteve no Athletico Paranaense por empréstimo em 2011, voltou em 2012, antes de seguir para Botafogo e Corinthians. Voltou em 2016 e permaneceu até 2018, quando se transferiu para o Cruzeiro.

E nas passagens por Porto Alegre, o jogador manteve relacionamento longe do amistoso com o rival. Foi Edilson que, em 2016, acertou socos em Rodrigo Dourado durante um clássico Gre-Nal. E depois do jogo publicou em redes sociais emojis de luvas de boxe alusivas ao ocorrido. Dias depois, em entrevista coletiva, não se desculpou. "Não sou amigo dele, é melhor deixar para lá", disse após citar que havia revidado outra agressão.

Meses antes, Edilson, ao comemorar uma vitória do Grêmio no Beira-Rio, havia arrancado a bandeirinha de escanteio do local onde ela permanece para levar até seus companheiros. Com ela, "dançou", revidando uma provocação de Eduardo Sasha, quando defendia o Inter.

"O Beira-Rio é o salão de festas de todo gremista. Como a equipe deles às vezes comemora de uma forma, nós temos o nosso. Está todo mundo feliz. O jogador não tem que se motivar com o adversário. Nós temos que comemorar e eles ficarem quietinhos", disparou.

Não foram só essas provocações na época de Tricolor. Edílson foi um dos que puxou os gritos "um minuto de silêncio, para o Inter que está morto" no retorno da delegação gremista ao Brasil após a conquista da Libertadores.

As atitudes de Edilson ecoaram no Beira-Rio. Seja com torcedores ou dirigentes da época, o jogador sempre foi alvo de duras críticas, em retribuição às atitudes que teve. Tanto que o lateral foi ameaçado mais de uma vez por aficionados vermelhos em seu perfil nas redes sociais. Ele, inclusive, realizou queixa na polícia por conta do ocorrido.

Não foi diferente neste domingo. Depois de acertar Nico López, Edilson gerou a ira dos colorados. E ganhou o esperado apoio dos gremistas. Os torcedores do Grêmio vibraram com a atitude do jogador (veja os tweets acima), que acabou sendo criticado até por cruzeirenses.

Desta vez, porém, a conduta dele foi outra. Ainda na noite de domingo, telefonou para Nico López e pediu desculpas. O uruguaio aceitou e encerrou o assunto da agressão, relatada em súmula pelo árbitro Raphael Claus.