Topo

Meia do Grêmio reclama de jogadores do Católica: "Estavam nos agredindo"

Alisson comemora gol do Grêmio contra a Universidad Católica - Pedro H. Tesch/AGIF
Alisson comemora gol do Grêmio contra a Universidad Católica Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

Do UOL, em Porto Alegre

09/05/2019 15h32

O meia-atacante Alisson reclamou da conduta dos jogadores do Universidad Católica na partida contra o Grêmio na noite de ontem pela Libertadores. Segundo o autor do primeiro gol gremista, os adversários agrediram bastante.

"Teve lances em que eles realmente... Mesmo sem a bola, estavam nos agredindo. O André foi bastante agredido por eles, mas nós estávamos bastante concentrados no nosso futebol. E em colocar em prática aquilo que fizemos nos primeiros 35 minutos contra o Fluminense. Sabíamos que seria um jogo muito difícil, mas conseguimos impor nosso futebol e fizemos uma grande partida. Fomos coroados com a classificação", disse ao Sportv.

O Tricolor venceu por 2 a 0 na Arena e conquistou vaga nas oitavas de final da Libertadores. E o gol foi importante, na avaliação dele, para dar moral e firmar posto no time.

"Estou muito feliz pelo gol, querendo ou não tira um peso. Tanto eu, quanto o Everton, entre outros, temos oportunidade de fazer esse facão às vezes. Fui feliz com o lançamento lindo do Michel e pude concluir em gol. Conversamos diariamente sobre o resultado contra o Fluminense... Estávamos fazendo um resultado espetacular, mas fizemos 3 a 0 e acho que relaxamos um pouco. Até mesmo olhando o adversário, a forma como eles estavam, e começamos a dar um pouco de mole. Às vezes deixar de marcar, deixar de dar um pique. Nos desconcentramos na partida. Mas foi o que conversamos: é lógico que não queríamos aquilo, mas ainda bem que aconteceu em um momento em que nós podemos nos recuperar. E não na Libertadores. Mas acho que faltou um pouco de malandragem e concentração. Como aprendizado, foi em um momento bom para que isso não volte a ocorrer nas próximas partidas", completou.

O Grêmio encara o Corinthians no sábado às 19h (de Brasília), em São Paulo.