PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Contra pedradas, organizadas do São Paulo e Polícia vetam recepção em praça

Ônibus do São Paulo é recebido com festa na chegada ao Morumbi - Leonardo Soares/UOL
Ônibus do São Paulo é recebido com festa na chegada ao Morumbi Imagem: Leonardo Soares/UOL

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

12/04/2019 18h07

Em reunião entre os representantes dos órgãos de segurança da cidade, do São Paulo, do Corinthians e das organizadas, hoje, ficou definido que os torcedores do Tricolor não deverão fazer a já tradicional recepção para a delegação da equipe antes da final do Campeonato Paulista, que será realizada neste domingo, no Morumbi. A intenção é evitar que o ônibus com os atletas do time alvinegro seja apedrejado.

Desta maneira, será ampliado o policiamento na região próxima ao estádio. Em geral, os são-paulinos ficam na praça Roberto Gomes Pedrosa para festejar a passagem do veículo do Tricolor. No entanto, em algumas partidas, os adversários foram alvos de pedras, garrafas e outros objetos. Em certos jogos, a Polícia Militar também organizou a escolta para que os dois times chegassem juntos.

Vale destacar que antes mesmo da decisão, tomada hoje em consenso, as principais organizadas do São Paulo, Independente e Dragões da Real, já tinham indicado aos torcedores e sócios que não deveria ser feita a recepção para que problemas fossem evitados.

O caso mais recente de hostilidades aconteceu na última visita do Corinthians ao estádio tricolor, em julho de 2018. Na ocasião, a escolta da Polícia Militar resolveu atrasar a chegada do ônibus em mais de meia hora na esperança de que houvesse menos torcedores na região do portão principal do estádio. A estratégia foi frustrada, e uma pedra arremessada quebrou uma janela do ônibus corintiano.

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchéz, chamou a atenção para o assunto nos últimos dias. Segundo publicou o Meu Timão e confirmou o UOL Esporte, o Alvinegro enviou ofícios ao próprio São Paulo, à Polícia Militar, ao promotor de Justiça Paulo Castilho e à Federação Paulista de Futebol. No texto, o alerta: não vai ter jogo caso os torcedores rivais ataquem o ônibus corintiano, como não raro acontece no entorno do Morumbi.

O delegado Antonio Olim, presidente do Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo, chegou a falar na possibilidade de o time alvinegro perder a partida por WO (3 a 0), caso não entrasse em campo. Hoje, ele mostrou cautela em relação ao assunto. Já o técnico do São Paulo, Cuca, disse respeitar a decisão corintiana.

Após 16 anos, Majestoso decidirá final do Paulistão

Jogo Aberto

São Paulo