PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Ricardo Rocha diz que falta espírito de campeão ao SP: "Perdemos a mão"

Ricardo Rocha deixou o cargo de coordenador de futebol do São Paulo após o término do Brasileirão  - Marcello Zambrana/AGIF
Ricardo Rocha deixou o cargo de coordenador de futebol do São Paulo após o término do Brasileirão Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Do UOL, em São Paulo

01/03/2019 22h49

Ricardo Rocha deixou o cargo de coordenador de futebol do São Paulo após o término do Campeonato Brasileiro de 2018 e alegou questões pessoais. Hoje, falou mais sobre sua passagem como dirigente no clube. O ex-jogador acredita que falta espírito de campeão no time tricolor e declarou que a diretoria "perdeu a mão" no ano passado.

"Foi bonito, mas podia ser muito mais. Perdemos a mão em algumas coisas. Quando cheguei como jogador, substituí Darío Pereyra e Oscar. Era meu sonho. Cheguei no clube, maravilhoso, com espírito de campeão. Falta isso para o São Paulo. Eu não jogo", disse em entrevista ao Resenha ESPN.

Ricardo Rocha também falou sobre como as lesões de Everton e Rojas na reta final do Brasileirão influenciaram para que o clube tricolor terminasse fora do G-4. 

"Pelo que eu vi, precisa vir mentes ganhadoras. Eu cheguei no São Paulo como jogador e mantive isso de querer ganhar, mas a gente perde título não só por isso. Perdemos Everton no pior momento, o Rojas, que estava muito bem, e o São Paulo não tinha um elenco forte como tem Palmeiras e Corinthians. Quando perde, não tem como suprir. Eu nunca vou falar isso lá dentro, mas eu vi uns jogos e falei 'não vai'. Eu conheço futebol. Não tem como ir", declarou.

O ex-coordenador de futebol da equipe também falou que faltou usar mais os jogadores formados nas categorias de base do clube.  

"Tem que criar uma base vencedora, tem que trazer mais ainda a base para o profissional. Eu falava para não ter medo de colocar a base. Todos os treinadores. Não vou me meter em escalação. Quando você não tem dinheiro para concorrer nos demais, não pode ter soberba, tem que ter pés no chão. Eu lutei por essa base até o final", contou. 

Ricardo Rocha também falou que foi contra a demissão do técnico Diego Aguirre, demitido a cinco rodadas do fim do Campeonato Brasileiro após empate com o Corinthians.

"Fui contra a saída do Aguirre. Eu estou com o Raí até a morte, mas, se eu estivesse na reunião, falaria para não fazer isso. Eu não faria pelo Raí. Faltavam cinco jogos. Eu senti vergonha, jogo horrível contra o Corinthians. Nós perdemos a chance de ganhar do Corinthians", falou.

"Foi feito tudo. A gente tentou animá-los dizendo que podíamos ficar entre os quatro. Eu vou falar de mim. Você faz o que, vai mandar embora faltando cinco jogos? Não é assim o futebol. Eu acho que a garotada teria mudado alguma coisa. Eu falava para perder com eles (garotos da base)", acrescentou.

O ex-zagueiro voltou a falar dos jovens formados pelo São Paulo. "Eu não tenho nada contra nenhum deles (treinadores). Só faltou isso para mim. Teve momentos que eu jogaria com alguns garotos, mas não sou treinador e nem quero ser", disse.

São Paulo