PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Excesso de estrangeiros prepara disputa particular no elenco do Inter

D"Alessandro e Cuesta são dois dos gringos do elenco do Inter - Ricardo Duarte/Inter
D'Alessandro e Cuesta são dois dos gringos do elenco do Inter Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

16/02/2019 04h00

O Internacional definiu a montagem de um elenco numeroso em 2019. Para suportar mais competições do que na temporada anterior, devido ao acréscimo da Copa Libertadores, o Colorado tratou de contratar. E o número de estrangeiros no elenco cria uma disputa interna para ficar à disposição, que se tornará mais forte a partir de abril. 

Atualmente são sete gringos no elenco. Da Argentina vieram D'Alessandro, Victor Cuesta e Martin Sarrafiore. Do Uruguai Nico López e Jonatan Alvez. Da Colômbia Santiago Tréllez e do Peru Paolo Guerrero. 

VEJA TAMBÉM

Com Alvez lesionado e fora dos planos e Guerrero disponível para jogar a partir de abril em razão da suspensão por doping, o problema não é para agora. Cinco disponíveis, número máximo apto a atuar em competições nacionais. Todos podem participar das partidas ou ficar no banco de reservas normalmente. 

Mas a partir de abril, a entrada de Paolo Guerrero empurrará necessariamente um dos estrangeiros para fora até mesmo dos suplentes em jogos regidos por federações brasileiras. E então a disputa que se avizinha é entre uma promessa e uma contratação. 

Com Nico, Cuesta e D'Ale titulares e Guerrero como principal contratação recente do clube, o quinto posto ficará entre Sarrafiore e Tréllez, contando que Alvez siga fora dos planos. O meia tem se destacado nas oportunidades que recebe e é um dos preferidos da torcida. Enquanto o centroavante tem sido duramente criticado e deve perder a titularidade imediatamente para Pedro Lucas, 20 anos. 

Excesso molda contratações

E o número excessivo de estrangeiros também molda qualquer investida do Inter no mercado. Estrangeiros só serão agregados ao grupo caso surja uma oportunidade muito boa de negócio. Do contrário, a impossibilidade de dar ritmo a todos nas competições de maior quantidade de jogos veta qualquer plano de chegada. 

E ainda que na Libertadores possam jogar todos os gringos ao mesmo tempo, a meta é controlar tal chegada para que nenhum deles fique impossibilitado de jogar e acabe perdendo motivação. 

Internacional