PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Jogadores lançam marcas próprias e bombam com legião de fãs

Douglas, do Grêmio, já tem linha de produtos para barba e até cerveja - Divulgação
Douglas, do Grêmio, já tem linha de produtos para barba e até cerveja Imagem: Divulgação

Luiza Oliveira

Do UOL, em São Paulo

26/08/2017 04h00

Jogadores de futebol deixaram de ser, há muito tempo, apenas atletas e extrapolaram as barreiras do futebol. Hoje são celebridades com milhares de seguidores nas redes sociais e com o poder de influenciar muita gente. Então por que não lançar suas marcas próprias para todo esse público? Alguns deles perceberam esse potencial e estão bombando com sua legião de fãs.

É o caso do corintiano Guilherme Arana, do atacante Alecsandro, do Coritiba, e do meia Douglas, do Grêmio, que entraram para o mundo dos negócios e apostaram em produtos que vão de shampoo e creme para barbear a cerveja, passando por camisetas e bonés.

Douglas é um grande exemplo disso. O jogador caiu nas graças da torcida do Grêmio e virou o ‘Maestro pifador’ por deixar os companheiros na cara do gol. Fora das quatro linhas, é "gente como a gente". Admite que toma cerveja mesmo, curte a vida e até criou burburinho pelas mensagens mandadas nas redes sociais para Carol Portaluppi, a "filha do chefe" Renato Gaúcho. Com esse jeito autêntico, ganhou popularidade e quase 500 mil seguidores no Instagram.

Mesmo com todo esse potencial, ele nunca tinha pensado em lançar um produto. Só entrou de cabeça na ideia quando foi apresentado a um projeto que tinha tudo a ver com a sua personalidade: uma linha para barba, que ele cultiva há algum tempo, e a própria marca de cerveja. Assim nasceu a Maestro10 com seus três estilos: Lager, Weiss e Ipa. O retorno tem sido melhor que o esperado.

Douglas, do Grêmio, lança a sua marca de cerveja - Marcelo Campos - MS+Sports - Marcelo Campos - MS+Sports
Imagem: Marcelo Campos - MS+Sports

"Eu sempre usei barba, e a cerveja eu nunca escondi que gosto de beber. A cerveja, inclusive, todo mundo me pedia através das redes sociais", contou ele ao UOL Esporte. "Tem sido muito legal. Tenho recebido muitos recados através das redes sociais de pessoas elogiando e pedindo para criar mais produtos (risos). Um amigo meu comentou que estava no supermercado e na prateleira das cervejas tinham pessoas que estavam tirando fotos da Maestro10 e enviando para amigos, achei sensacional. É muito legal ver esse reconhecimento e carinho da galera".

Douglas fugiu do lugar-comum ao se associar a uma marca de bebidas alcoólicas em um mundo cada vez mais politicamente correto. Mas ele não vê a aposta como ousada. "Quase todo jogador gosta de uma cerveja. Logico que somos responsáveis e sabemos a hora de beber e a hora em que não podemos beber. Somos profissionais e vivemos do nosso corpo e do futebol, temos responsabilidade com o torcedor que apoia o clube e com o próprio clube. Não entendo como uma aposta ousada, e sim como um produto que tenha meu perfil. Não vou ligar nada a minha imagem que eu não goste".

O jogador está bem satisfeito com o resultado e já pensa em criar outras alternativas, mas sem nunca deixar o futebol de lado. “O retorno que eles têm me passado tem sido muito produtivo. Em menos de 45 dias no mercado, a cerveja já está nas prateleiras da maior rede de supermercados do Rio Grande do Sul e uma outra rede de São Paulo acabou de mostrar interesse”, disse. “Nunca foi meu foco, meu negócio é o futebol! Mas como o resultado está sendo bem legal, quem sabe eu pense em novas coisas, mas antes disso estou focado em terminar minha recuperação e voltar a jogar. Esses produtos são consequência do futebol”.

Alecsandro tem a sua marca de roupas Diffe, que une estilo de vida com futebol - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Alecsandro lança marca de roupas

Douglas não foi o único a investir em produtos que tenham a ver com a sua personalidade. O atacante Alecsandro, atualmente no Coritiba, viu uma boa oportunidade de entrar em um negócio há aproximadamente oito anos. Se juntou a dois sócios e abriu a loja Diffe em Bauru e Salvador. A marca de roupas tem moda com conceito todo ligado a lifestyle e futebol. Algumas camisas têm frases divertidas bem comuns no mundo da bola como: "Jogou onde, parceiro?" e "Respeita a minha história no futebol".

"A gente vê o futebol como se fosse um estilo de vida. A gente já vê a linha dos skatistas, a maioria dos skatistas é alguém que curte o skate e se veste da mesma maneira. Isso acontece com alguns esportes. A gente sabe que isso é muito difícil que aconteça, mas a ideia é que a nossa linha represente os peladeiros do dia a dia, quem quiser chegar na pelada com uma camisa diferenciada. Não precisa ser melhor do time, mas a ideia é unir o amador com o profissional, isso tem sido bem produtivo", conta ele.

A marca já caiu no gosto de muitos boleiros. Jogadores como Leandro Donizete (Santos), Diego (Flamengo), Carlos Alberto (Atlético-PR), Fágner (Corinthians) Túlio Maravilha e Leo Moura (Grêmio) costumam exibir as peças em suas redes sociais e até em entrevistas. Alecsandro considera que as vendas estão sendo bastante satisfatórias. Desde a abertura da marca, houve um crescimento de 73% no faturamento.

Recentemente, eles até firmaram uma parceria com o clube Noroeste e criaram uma linha de passeio para os torcedores. A ideia é estampar nas camisas frases típicas da própria torcida como ‘Vai, Norusca’. Se cair no gosto da galera, a ideia pode ser levada para outros clubes. O Coritiba é uma das possibilidades por já haver um bom relacionamento com o departamento de marketing.

Com a crescente demanda, Alecsandro também vem fazendo um planejamento para a expansão da marca. O primeiro passo é trabalhar com a venda de franquias, já que eles já estão certificados para tal. O segundo passo é conhecer novos fornecedores e contratar profissionais para aumentar a produção. Os sócios da marca observam que já existe um aumento da demanda, especialmente com a divulgação nas redes sociais. Mas ainda precisam se planejar para atender todo mundo.

“Não adianta eu soltar a propaganda de uma camisa e não ter hoje a camisa para vender para o Brasil todo, ainda é uma produção pequena. Ainda não tem uma fábrica própria que faça para gente. Eu prezo muito pela imagem minha e da marca. Uma vez o cantor Thiaguinho, ele é muito meu amigo, e o pai dele comparam algumas roupas. E ele pediu: ‘Quando chegar, manda para mim’. Peguei dez bonés e mandei. O Thiaguinho postou, nossa redes ficaram lotadas: ‘Onde compra?’, ‘Quero comprar’, mais de 500 pedidos de compra. Então se você não atender, além de queimar a marca, se mostra um pouco amador. Para não ter esse problema, estamos nos organizando, fazendo um 'upgrade' e futuramente vocês vão ver mais propagandas nas redes”, diz ele que já tem muitos projetos futuros para a Diffe como patrocinador de eventos esportivos e até projetos sociais com crianças.

Guilherme Arana lança marca de bonés

Lateral do Corinthians, Guilherme Arana posta foto com sua marca de bonés - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram
 

Alguns novatos também estão se dando bem. O lateral esquerdo do Corinthians Guilherme Arana acaba de lançar a sua marca de bonés: a Ladies and Gentleman. O negócio ainda é feito de forma bem caseira e despretensiosa, mas já vem trazendo resultados.

Arana e seus amigos sempre brincaram com o bordão ‘Ladies and Gentleman’ (senhoras e senhores, em inglês) até que certo dia ele pediu para a sua mãe confeccionar alguns bonés com a frase. Cintia Arana, então, encomendou 30 unidades. Mas bastou o jogador e seu irmão Gustavo postarem no Instagram que as redes foram invadidas por uma enxurrada de pedidos. Logo no outro dia, Cintia encomendou mais 120 bonés. O produto esgotou rapidamente e, por isso, ela decidiu dobrar a produção. Também não restou uma peça sequer.

“Nossa... todo mundo quer, os fãs clubes, as meninas. Antes só tinha preto e branco, agora eu tive que mandar fazer rosa e azul bebê porque elas querem, todo mundo quer. O Guilherme pediu para eu colocar um preço bem legal de R$ 70, com um material bom para todo mundo poder ter acesso”, conta a mãe.

A produção, ainda bem artesanal, está sendo tocada pela mãe de Arana, o irmão Gustavo e os primos Vitor e Felipe. São eles quem recebem os pedidos, retiram as peças no fornecedor e enviam pelo correio. Apesar de não colocar a mão na massa, Guilherme faz questão de acompanhar tudo de perto.

“Ele fica muito ligado, preocupado se estamos fazendo as coisas direito. Ele chega em casa e pergunta quantos vendemos, posta foto, ele fica bastante preocupado se estamos fazendo tudo corretamente. É tudo novo para a gente. Vamos aos poucos, quem sabe colocamos camisetas à venda, fazemos site. Quem sabe abrimos uma loja”, se anima ela.

Futebol