PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Ele foi atacante e hoje é zagueiro que não leva um cartão há 11 meses

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Fábio Aleixo

Do UOL, em São Paulo

23/03/2017 04h00

Um zagueiro que atua no futebol paulista está perto de conseguir um feito impressionante: ficar um ano inteiro sem levar um cartão sequer, seja ele amarelo ou vermelho. Mais precisamente, faltam 18 dias para atingir a marca. O jogador em questão é Odair Lucas, atleta que defende o Rio Claro na Série A2 do Campeonato Paulista.

A última vez que foi advertido por um árbitro foi na última rodada da Série A1 do Estadual de 2016, em 10 de abril. Naquela ocasião, seu time acabou derrotado por 1 a 0.

Desde então, já são 33 partidas sem ver um cartão. Para completar um ano sem punição, faltam somente cinco partidas, a primeira delas nesta quinta-feira contra o Água Santa.

"Sinceramente, eu não esperava ficar 33 jogos sem receber cartão. Mas se passaram cinco jogos, depois dez, depois 15 e foi indo. E agora coloquei como meta pessoal não levar mais cartão. Mas sei que é muito difícil", afirmou em entrevista ao UOL Esporte.

"Eu nunca fui um cara de fazer muita falta e muitas vezes levava cartão por reclamação, mas com o tempo fui pegando experiência e aprendendo a conversar com o árbitro sem gritar ou gesticular muito", disse o atleta de 27 anos.

"Sempre encaro muitos atacantes de beiradas, velozes. Mas mantenho a lealdade. Levo isso muito a sério", disse Odair, que neste período de 33 jogos nem substituído foi.
 
Hoje se destacando como zagueiro do Rio Claro, time que estava invicto até a última rodada da A2 (11 jogos no total), Odair Lucas começou sua carreira bem longe da defesa. Ele era atacante e chegou a disputar nesta posição um Campeonato Paranaense pelo Operário de Ponta Grossa. Mas o acaso e uma certa "malandragem" o tornaram um defensor.
 
"Marquei alguns gols, mas depois do primeiro ano não fiquei lá. As coisas não estavam dando certo para mim e acabei desanimando. Tive de começar a trabalhar com outras coisas para ajudar a minha família. Fui pedreiro, carpi no campo, e fiz uns bicos. Aí em 2009, surgiu uma oportunidade fazer uma avaliação no Rio Claro, quando o Paulinho McLaren era o técnico. Fiquei assistindo um treino e vi que havia uma carência ali na defesa. Quando perguntaram em que posição eu jogava falei que era de zagueiro. Fiquei no time e não mudei mais de posição", contou ele, que mede 1,87m.
 
Odair ficou no Rio Claro até 2010 antes de começar a rodar por diversos clubes do Brasil, como Boa Esporte, Marília, Fluminense de Feira-BA, entre outros. Isso até retornar no ano passado ao clube.
 
Ainda com cacoetes ofensivos, Odair costuma subir à aérea adversária com frequência durante as partidas. Nesta Série A2 já fez dois gols. "No rachão, eu sempre faço gols e, durante o jogo, o nosso treinador (Sergio Guedes) me dá esta liberdade de ir ao ataque. Quando o jogo está difícil, eu subo mais", disse ele que se diz fã do zagueiro Juan.
 
 
 

 

Futebol