PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Palmeiras aumenta o muro e separa de vez o CT do São Paulo após 26 anos

Muralha palmeirense derrubará uma tradição de 26 anos - Danilo Lavieri/UOL Esporte
Muralha palmeirense derrubará uma tradição de 26 anos Imagem: Danilo Lavieri/UOL Esporte

Danilo Lavieri e José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo

12/08/2016 06h00

Uma tradição de décadas perto do fim. Depois de 26 após a inauguração da Academia de Futebol, o Palmeiras definitivamente se separará do São Paulo, dono do CCT da Barra Funda, localizado exatamente ao lado do centro de treinamentos do clube alviverde. Uma muralha se ergue para negar qualquer tentativa de espiada do outro lado.

A reforma no espaço utilizado pelo departamento profissional do Palmeiras já era planejada antes mesmo da chegada do técnico Cuca. Mais do que qualquer melindre em relação ao rival, o muro erguido servirá para manter a boa convivência entre são-paulinos e palmeirenses.

Segundo apuração do UOL Esporte com pessoas ligadas ao Palmeiras, a construção servirá como uma forma de precaução contra espionagem em relação aos rivais. Não de são-paulinos e de palmeirenses, mas de profissionais da própria imprensa.

Em 2009, do lado do CT do Palmeiras, homem observa o goleiro Rogerio Ceni bater pênaltis durante treino do São Paulo realizado no CCT da Barra Funda, zona oeste da capital - Ricardo Nogueira/Folhapress - Ricardo Nogueira/Folhapress
Em 2009, do lado do CT do Palmeiras, homem observa o goleiro Rogerio Ceni bater pênaltis durante treino do São Paulo realizado no CCT da Barra Funda, zona oeste da capital
Imagem: Ricardo Nogueira/Folhapress

Em algumas oportunidades, funcionários do Palmeiras flagraram câmeras dentro da Academia de Futebol com as lentes viradas para o CCT da Barra Funda. A 'Muralha' servirá para afastar qualquer possibilidade de alguém observar as atividades são-paulinas.

Atualmente, um muro de cerca de dois metros e mais árvores separam os dois centros de treinamento. A Academia de Futebol, porém, fica mais alta e, através das árvores, há espaços possíveis que permitem a visualização de um campo da casa são-paulina. Estas lacunas, a partir de agora, ficarão no passado.

Do outro lado, o campo de visão é quase nulo: quem está no São Paulo visualiza apenas o estacionamento da Academia de Futebol. Os campos estão posicionados do outro lado do terreno.

O muro dividirá de vez os dois clubes. Para alguém quiser espiar, agora precisará se reinventar. O espaço entre as tradicionais árvores, utilizado já por Luiz Felipe Scolari para enxergar o rival, ficou no passado.

Futebol