PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Histórico de lesão e salário alto podem tirar Guilherme do Atlético-MG

Bernardo Lacerda

Do UOL, em Belo Horizonte

11/12/2014 06h00

Com contrato até 25 de março, Guilherme não tem permanência assegurada no Atlético-MG para a próxima temporada. Com histórico de lesões, o meia-atacante, que traz a seu favor atuações decisivas com a camisa alvinegra, aguarda uma definição da diretoria, que considerou alta a pedida salarial do jogador e descarta onerar o caixa do clube.

Desde que chegou ao Atlético, em 2011, Guilherme tem convivido com lesões. E não foi diferente nesta temporada. Ao mesmo tempo em que foi decisivo em alguns momentos, como na goleada sobre o Corinthians por 4 a 1 pelas quartas de final da Copa do Brasil, com dois gols e atuação impecável, o meia-atacante passou boa parte do ano no departamento médico por problemas musculares.

De 2011 para cá, Guilherme disputou 130 jogos pelo Atlético. Em média, o armador só consegue jogar cinco vezes seguidas pelo time alvinegro, antes de sofrer uma contusão, ou perder a titularidade. Em nenhuma das quatro temporadas o atleta foi titular absoluto.

Nesta temporada, em que Guilherme apareceu como o substituto de Ronaldinho Gaúcho, que deixou o clube em agosto, ele teve dificuldades. Sofreu três contusões em 2014, sendo duas musculares e uma tornozelo esquerdo.

O histórico de lesão do armador é grande e faz a diretoria atleticana repensar a sua continuidade no clube. Guilherme já sofreu 13 contusões musculares desde que chegou ao Atlético. Foram sete na coxa direita, três da coxa esquerda e três na panturrilha esquerda.

“Ele (Guilherme) é um cara fundamental, craque, mas depende da continuidade física, dos números, é uma cosia que ele tem de trazer para ser aproveitado. É um cara especial dentro de campo, mas é especial em relação aos problemas clínicos, já que o físico é um dos melhores”, observou o técnico Levir Culpi.

O presidente do Atlético, Daniel Nepomuceno, eleito na semana passada, esfria a permanência do armador, que pediu cerca de R$ 350 mil mensais para ter seu vínculo renovado. “O Guilherme tem contrato, mas estamos tendo dificuldade para renovação em relação ao salário que está sendo pedido. Se chegando num valor essencial para Libertadores, só que eu não vou fazer nenhuma loucura de ficar colocando em risco a questão financeira do Atlético para manter ninguém”, disse.

Um dos representantes do armador, Sérgio Suarez reconhece que a negociação para a permanência de Guilherme esfriou. “Não fui procurado pelo novo presidente. Tem mais ou menos três meses que não converso com ninguém do Atlético. Não chegamos a um acerto e agora estou esperando”, disse ao UOL Esporte.

O representante diz que o meia tem sido alvo de sondagem de outros clubes brasileiros. “Tem vários times que já procuraram o Guilherme. Como é um período de muitas mudanças, o nome do Guilherme é muito lembrado por outras equipes. Não posso falar os nomes dos clubes, mas por respeito ao Atlético a prioridade do Guilherme é ouvir o clube, ele quer continuar”, acrescentou Sérgio Suarez.

Guilherme já pode assinar um pré-contrato com outra equipe, mas o jogador ainda espera o período de férias para ser procurado pela diretoria do Atlético. “Não podemos esperar até a véspera do final do contrato do atleta para decidir o futuro. Mas acho que a diretoria vai nos procurar neste período de férias ainda”, observou o representante do atleta.

Futebol