PUBLICIDADE
Topo

Notícias em primeira mão dos bastidores do futebol, informações exclusivas sobre o seu time, novidades do mercado da bola e o melhor do jornalismo esportivo em um só lugar. Só para assinantes UOL!

Fla, Palmeiras e Ponte lideram movimento contra atos violentos das torcidas

Detalhe do ônibus da delegação da Ponte Preta na porta de uma delegacia de Polícia, onde o elenco foi prestar queixa por conta da agressão sofrida no aeroporto, no dia 25/9 - LUCIANO CLAUDINO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO
Detalhe do ônibus da delegação da Ponte Preta na porta de uma delegacia de Polícia, onde o elenco foi prestar queixa por conta da agressão sofrida no aeroporto, no dia 25/9
Imagem: LUCIANO CLAUDINO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

28/09/2017 04h00

Palmeiras, Flamengo e Ponte Preta formam o embrião de um novo movimento de protesto no futebol brasileiro. O episódio envolvendo agressões a jogadores no desembarque da delegação da equipe de Campinas, na última segunda, foi o estopim para a mobilização.

Membros da Abex (Associação Brasileira dos Executivos de Futebol) formam a linha de frente do movimento que pretende pressionar as autoridades para que os agressores sejam punidos. O Sindicato dos Atletas de São Paulo também faz parte da mobilização, que espera a adesão de mais times, dirigentes e jogadores. Em um primeiro momento, o movimento chegou até a citar atos organizados como uma greve geral para que situações como essas não se repitam e tenham os envolvidos sempre punidos. (Por Danilo Lavieri e Vinicius Castro)

Veja, abaixo, o vídeo da agressão ao elenco da Ponte:

SP: Leco fala com diretor sobre "mesada"

O diretor executivo de futebol do São Paulo, Vinícius Pinotti, alegou ter recebido o apoio de boa parte da cúpula do clube após o caso das mesadas dadas para o ex-gerente de marketing, Alan Cimerman, demitido por justa-causa. Revelada pelo UOL Esporte na terça-feira, a ligação motivou o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, a ligar para Pinotti.

"Ele tomou a iniciativa de me ligar para demonstrar apoio nessa tentativa de queimar a minha imagem. Em nenhum momento ele pediu explicação sobre o que aconteceu. Foi apenas uma manifestação de apoio", disse Pinotti. Cimerman foi demitido após ser acusado de participar de suposto esquema ilegal de venda de ingressos e camarotes nos shows do U2 e Bruno Mars. O clube calcula que no mínimo R$ 2 milhões foram desviados. (Por José Eduardo Martins)

SP: Dívida de empresa que geria lojas do Corinthians

O São Paulo começou uma briga judicial com a SPR, empresa que ganhou notoriedade no mercado por gerir as lojas Poderoso Timão, do rival Corinthians. O clube do Morumbi cobra R$ 538 mil que diz não ter recebido em troca de licenciar sua marca para a ex-parceira. A parceria Corinthians-SPR também já tinha gerado problemas judiciais, com 29 franqueados de lojas acusando clube e empresa de não cumprirem sua parte nas parcerias em 2015. (Por Pedro Lopes)

Vereadores vetam torcida mista em estádios de SP

A Câmara dos Vereadores de São Paulo vetou, no início desta semana, o projeto de lei 517, que previa a criação obrigatória de um espaço misto, onde torcedores de ambos os times pudessem assistir juntos a todas as partidas de futebol profissional na cidade. A medida tramitava desde 2011, e foi rejeitada por maioria absoluta. (Por Pedro Lopes)

Gabriel Pensador quer R$ 350 mil do Santos por lateral da base

A empresa Pensador Futebol, do rapper Gabriel, o Pensador, cobra do Santos R$ 350 mil pelo lateral direito Patrick Florindo, que ainda sequer estreou pelos profissionais. Pensador afirma que tinha direito a 65% dos direitos econômicos do jogador e que o Santos fez um novo contrato com o jovem para burlar a obrigatoriedade de adquirir este percentual. (Por Pedro Lopes)

Corinthians: acordo para pagar Oswaldo após 9 meses

Novo treinador do Atlético-MG, Oswaldo de Oliveira e seus três auxiliares até hoje não receberam pela rescisão de contrato com o Corinthians, em dezembro, mas deverão receber em breve. Depois de nove meses alegando dificuldades financeiras, o presidente Roberto de Andrade prepara uma proposta de acordo para quitar as pendências em parcelas. Oswaldo e seus auxiliares têm o equivalente a dois meses de salários a receber pela quebra de contrato, que originalmente expiraria em dezembro de 2017. (Por Dassler Marques)