PUBLICIDADE
Topo

Copa 2018

CR7 brilha com três gols, e Portugal e Espanha empatam em jogaço da Copa

Do UOL, em São Paulo

15/06/2018 16h52

Classificação e Jogos

A Copa do Mundo da Rússia teve seu primeiro jogo marcante. No grande clássico ibérico disputado nesta sexta-feira (15), Portugal e Espanha empataram por 3 a 3 em Sochi e, agora, dividem a segunda posição do Grupo B, que tem o Irã na liderança. Em atuação memorável, Cristiano Ronaldo fez os três gols portugueses, enquanto Diego Costa (duas vezes) e Nacho marcaram pelos espanhóis.

Clique aqui para ver os gols de Portugal 3 x 3 Espanha

A partida marcou a estreia do técnico Fernando Hierro, substituto de Julen Lopetegui no comando da Espanha. Cristiano Ronaldo quebrou três marcas ao mesmo tempo: se tornou o primeiro português a disputar quatro edições do torneio, igualou um recorde de Pelé e dos alemães Klose e Seeler ao marcar em quatro mundiais seguidos, e empatou com Puskas como o maior artilheiro europeu na história de todas as seleções, com 84 gols cada.

Na quarta-feira (20), Portugal encara Marrocos em Luzhniki às 9h (de Brasília); no mesmo dia, às 15h, Irã e Espanha se enfrentam na Kazan Arena.

O melhor: Cristiano Ronaldo

cr7 - REUTERS/Murad Sezer - REUTERS/Murad Sezer
Imagem: REUTERS/Murad Sezer

De longe, o melhor. Ele converteu o pênalti no canto direito do gol, deu passes impressionantes que só não viraram assistências porque os companheiros de equipe não aproveitaram, reclamou com o time e ainda fez mais dois gols. Um deles com falha de De Gea, o outro em bela cobrança de falta.

Cristiano Ronaldo já conquistou quase tudo: título nacional, continental, e até mundial por Manchester United e Real Madrid. A Copa do Mundo é o que falta para a consagração absoluta do atual melhor jogador do mundo, que se tornou o primeiro português a disputar quatro edições do torneio na história. Ele ainda igualou um recorde de Pelé e dos alemães Klose e Seeler ao marcar em quatro mundiais seguidos.

Sua busca pela perfeição é tamanha que chegou a se mostrar irritado com os companheiros portugueses em diversas oportunidades. Gonçalo Guedes, por exemplo, errou ao não devolver a bola para o craque e ouviu reclamações.

O pior: De Gea

de gea - Lucy Nicholson/Reuters - Lucy Nicholson/Reuters
Imagem: Lucy Nicholson/Reuters

Tratado pela imprensa europeia como interesse do Real Madrid, o goleiro do Manchester United não voltará para o hotel com a aprovação do maior craque do time merengue: aos 44 do primeiro tempo, Cristiano Ronaldo finalizou e contou com uma falha gigantesca de De Gea para fazer o segundo de Portugal.

Portugal deu espaço e sofreu

Não é comum que a Espanha tenha um centroavante livre o bastante para dar passes de calcanhar, como fez Diego Costa. Foi assim que Portugal cedeu espaço demais para os adversários durante boa parte do jogo. Espaço suficiente para o próprio Diego Costa girar diante da marcação e chutar no cantinho do gol para empatar aos 23.

Os portugueses chegaram a reivindicar o uso do árbitro de vídeo para conferir se o atacante teria agredido o rosto de Pepe, mas o italiano Gianluca Rocchi não atendeu ao pedido. Isco chegou perto de fazer o segundo três minutos depois, quando soltou uma bomba no travessão e viu a bola bater em cima da linha e voltar – o árbitro disse que o sensor não sinalizou a entrada da bola.

A estreia de Hierro

hierro - Ueslei Marcelino/Reuters - Ueslei Marcelino/Reuters
Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

A incerteza passou a rondar a Espanha depois da demissão inusitada de Julen Lopetegui, que trocou a seleção pelo Real Madrid. Mas o novo técnico Fernando Hierro fez uma boa estreia, apesar do empate. Ele promoveu algumas mudanças na equipe, como a entrada de Nacho na lateral, Koke no lugar de Thiago no meio-campo e a escalação de Diego Costa como centroavante.

É evidente que o consagrado estilo de jogo da Espanha não mudaria em menos de uma semana sob o comando de um novo treinador, mas a seleção pareceu nervosa e afobada até o gol de Diego Costa, algo que podemos atribuir ao fato de que Cristiano Ronaldo abriu o placar de pênalti logo aos 4 minutos. Depois disso, se mostrou mais relaxada e começou a envolver o adversário com seus tradicionais passes rápidos.

Nacho: do inferno ao céu... E ao inferno de novo

nacho - Ueslei Marcelino/Reuters - Ueslei Marcelino/Reuters
Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

Foi ele que cometeu o pênalti sobre Cristiano Ronaldo que colocou Portugal em vantagem logo aos 4 minutos da partida. Mas foi o golaço de Nacho aos 13 do segundo tempo que, por mais de 30 minutos, deixou a Espanha em ritmo de festa. Não foi o suficiente: o golaço de falta do camisa 7 aos 42 definiu que o espanhol vai para casa com um gosto amargo na boca.

Sergio Ramos sem polêmica

O zagueiro espanhol é visto como o atual vilão do futebol. Depois de lesionar o egípcio Salah na Liga dos Campeões e de ser acusado de levar o goleiro Karius a uma concussão, Sergio Ramos é o jogador que mais divide opiniões atualmente. Curiosamente, hoje teve de marcar um colega de Real Madrid, o astro Cristiano Ronaldo. Teve vida fácil com os outros atacantes de Portugal, mas não com o camisa 7, que fez o que quis em campo.

O craque Iniesta

iniesta - Sergei Grits/AP Photo - Sergei Grits/AP Photo
Imagem: Sergei Grits/AP Photo

O veterano deixou o Barcelona e já disse que não tem certeza se voltará a defender a Espanha depois da Copa, mas, a julgar por esta atuação, a torcida espanhola deve fazer campanha para que Iniesta fique. Mesmo aos 34 anos e sem a mobilidade de seus marcadores, ele ditou o ritmo do jogo após o gol de empate de Diego Costa e até o gol de Nacho (a partir daí, foi Portugal que cresceu).

A troca de passes da Espanha não ficou devendo em nada para os grandes momentos de tiki-taka que a seleção já mostrou no passado, principalmente no Mundial de 2010. O próprio Iniesta quase marcou aos 35 do primeiro tempo, quando tocou de primeira após excelente jogada coletiva e tirou tinta da trave. Na metade do segundo tempo, foi substituído por Thiago Alcântara e saiu ovacionado pela maioria dos presentes no estádio.

A maldição das estreias

A Espanha não vence uma estreia de Copa do Mundo desde 2006, quando bateu a Ucrânia por 4 a 0. De lá para cá, foi derrotada pela Suíça em 2010, ano em que foi campeã, e goleada pela Holanda por 5 a 1 em 2014, no Brasil, quando acabou eliminada na fase de grupos. Nesta sexta, a "maldição" se manteve.

A situação de Portugal é parecida, mas ainda mais grave. A seleção não vence uma estreia há 10 anos, quando bateu a Turquia na Euro 2008 (posteriormente, perdeu para a Alemanha na Euro 2012 e na Copa de 2014, e empatou com a Islândia na Euro 2016).

Rivalidade ibérica

Há quem pense que as maiores rivalidades do futebol estão na América do Sul, mas Espanha e Portugal não se dão bem. Antes de qualquer esporte, a rivalidade existe por motivos geográficos. “Da Espanha, nem bom vento, nem bom casamento”, diz o mais famoso ditado popular dos portugueses.

A explicação da frase é simples: a Espanha é montanhosa e leva ventos secos a Portugal no inverno (deixaremos aberta para interpretação a parte que fala sobre casamento). No futebol, a rivalidade cresceu nos últimos anos muito em função de Cristiano Ronaldo, que joga em Madri; além disso, a Fúria eliminou os portugueses na Copa 2010 e na Euro 2012.

FICHA TÉCNICA
PORTUGAL 3 X 3 ESPANHA

Data e hora: 15 de junho de 2018, às 15 horas (de Brasília)
Local: Estádio Olímpico de Fisht, em Sochi (Rússia)
Árbitro: Gianluca Rocchi (Itália)
Auxiliares: Elenito Di Liberatore e Mauro Tonolini (ambos da Itália)
Cartões amarelos: Bruno Fernandes (Portugal); Busquets (Espanha)
Gols: Cristiano Ronaldo, aos 4 minutos e aos 44 do primeiro tempo, e aos 42 do segundo (Portugal); Diego Costa, aos 23 minutos do primeiro tempo e aos 10 do segundo, e Nacho, aos 13

PORTUGAL: Rui Patricio; Cedric, Pepe, Fonte e Raphael; William Carvalho, João Moutinho, Bernardo Silva (Quaresma), Gonçalo Guedes (André Silva), Bruno Fernandes (João Mário), Cristiano Ronaldo
Técnico: Fernando Santos

ESPANHA: De Gea; Nacho, Piqué, Sergio Ramos e Alba; Busquets, Koke, David Silva (Vazquez), Isco e Iniesta (Thiago Alcântara); Diego Costa (Aspas)
Técnico: Fernando Hierro

Copa 2018