PUBLICIDADE
Topo

Copa 2018

Em meio ao tratamento, Daniel Alves programa ida à Rússia para ver seleção

Daniel Alves é atendido pelo departamento médico do PSG durante jogo contra o Les Herbiers - AFP PHOTO / Damien MEYER
Daniel Alves é atendido pelo departamento médico do PSG durante jogo contra o Les Herbiers Imagem: AFP PHOTO / Damien MEYER

João Henrique Marques

Do UOL, em Paris

22/05/2018 04h00

Classificação e Jogos

Daniel Alves já tem o cronograma traçado para o tratamento da entorse no joelho direito que o tirou da Copa do Mundo. E, nos planos do lateral, a viagem à Rússia para acompanhar o Brasil no Mundial foi colocado como prioridade. Segundo apurou o UOL Esporte, o desejo do jogador é de estar próximo da seleção em fases decisivas.

Confira a tabela completa e o calendário de jogos
Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
DOC: a Rússia Gay que não pode sair do armário

O lateral vai passar por cirurgia no joelho nos próximos dias. A decisão pessoal foi a de realizar a operação em Paris aos cuidados do Paris Saint-Germain.

Antes disso, Daniel Alves passa dias em Barcelona acompanhado dos dois filhos e realizando o tratamento pré-cirúrgico. O jogador tem parte da família na cidade.

Pessoas próximas de Daniel Alves garantem que não há abatimento. A notícia da impossibilidade de estar na Copa do Mundo foi recebida com os olhos mareados, segundo contou na oportunidade o médico da seleção brasileira, Rodrigo Lasmar. Na última segunda-feira, porém, o lateral mostrou bom humor ao publicar vídeos realizando exercícios na academia.

Daniel Alves também tem acordo com o PSG para seguir o calendário de férias dos demais jogadores. Desta forma, após a Copa do Mundo, terá um mês de descanso.

O tratamento de Daniel Alves tem previsão em torno de seis meses. O que preocupa o jogador no momento é o fato de o contrato com o PSG ter a duração de somente mais um ano. Antes da lesão, o jogador de 35 anos já discutia possibilidades para o futuro priorizando a renovação com o clube francês, mas também com bons olhos para os mercados dos Estados Unidos e da China.

Copa 2018