PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Negociações com Red Bull e Coritiba travam e Globo não tem 108 jogos no ppv

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

12/02/2020 04h00

Com Napoleão de Almeida

A cerca de três meses do início do Brasileiro, a Globo ainda têm em aberto negociações com o Redl Bull Bragantino e o Coritiba pelos direitos de televisão da competição. As conversas com o time do interior de São Paulo são especialmente delicadas pela questão do nome do time: a agremiação quer que a empresa seja citada, e há uma trava neste sentido na emissora. Uma discussão sobre o Pay-per-view também está em aberto. Com isso, atualmente, a emissora ainda não tem direitos sobre 108 partidas da Série A para o pacote fechado.

Com a classificação para a Série A, o Red Bull e o Coritba já conversavam com a Globo desde o final de dezembro para seu contrato de televisão. A proposta da emissora é similar à oferecida para os outros clubes para TV Aberta com distribuição de 40% igualitária, 30% por posição e 30% por exibição.

O grande impasse é em relação a falar o nome Red Bull. O clube insiste neste ponto porque todo o projeto do clube é de ter uma marca associada a práticas modernas e de alavancar a venda do energético. Sem se pronunciar o nome da empresa pela emissora, há uma perda neste objetivo. Mas ressalte-se que o clube já aceitou essa condição no Paulista.

Do lado da Globo, falar o nome de empresas é visto como uma troca comercial pela qual tem que haver remuneração à emissora. É considerado um ativo de propaganda. Não se sabe se a Globo vai rever essa política na negociação. Ou seja, um lado vai ter que ceder.

Outro aspecto que tem sido discutido é a remuneração pelo pay-per-view. Pelas regras atuais, o time é pago pelo percentual de assinantes torcedores cadastrados no pacote fechado. Com torcida pequena, restrita ao interior de São Paulo, o Red Bull Bragantino ficaria com um valor pequeno. Por isso, poderia não valer a pena assinar essa mídia assim como fez o Athletico-PR, que tem torcida bem maior.

É a mesma questão para o Coritiba. O time paranaense vê com bons olhos o modelo adotado pelo rival do Estado que só fechou na Aberta. Pede à Globo luvas de R$ 20 milhões para assinar a TV Aberta e o ppv, mas não tem certeza sobre a vantagem da segunda plataforma. Afinal, o Athletico-PR assinou só na Aberta e teve mais jogos exibidos. O Coritiba tem contrato de TV Fechada com a Turner.

A Globo sinaliza que há uma compensação ao ppv porque os times terão mais jogos exibidos nas TV Abertas e Fechadas e, portanto, ganharão mais com nestes itens.

Apesar das discordâncias, há uma avaliação de que as negociações têm avançado no Red Bull. Fato é que a Globo enfrentou as conversas mais complicadas com clubes fortes financeiramente, casos de Palmeiras, Athletico-PR e Flamengo. E é o caso do Red Bull Bragantino que conta com o peso do investimento da multinacional.

Neste momento, a Globo não tem direitos sobre 108 das 380 partidas do Brasileiro para Pay-per-view, considerando que não há contratos com três clubes, incluindo o Athletico-PR. Caso esse cenário se confirme, isso representaria 32% do produto, que é a principal aposta da emissora para aumentar ganhos com o futebol. Com um desfalque deste tamanho, há risco de queda maior na arrecadação.

Blog do Rodrigo Mattos