PUBLICIDADE
Topo

Perrone

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Perrone: Brasil mostra força e maturidade ao escapar de arapuca argentina

Raphinha é levantado por Otamendi após lance de cotovelada em Argentina x Brasil pelas Eliminatórias - ANDRES LARROVERE/AFP
Raphinha é levantado por Otamendi após lance de cotovelada em Argentina x Brasil pelas Eliminatórias Imagem: ANDRES LARROVERE/AFP
Conteúdo exclusivo para assinantes
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

16/11/2021 22h49

O futebol apresentado pela Seleção Brasileira não foi brilhante. Mas seu desempenho no empate sem gols com a Argentina, nesta terça (16), em San Juan, mostrou a força do time de Tite.

Os brasileiros enfrentaram um adversário forte tecnicamente, violento, um estádio acanhado, uma torcida hostil e uma arbitragem complacente com a agressividade argentina.

Diante de tudo isso, o Brasil não se desmanchou. A equipe brasileira se manteve firme taticamente e emocionalmente até o final da partida pelas Eliminatórias da Copa do Mundo do Qatar.

A defesa foi suficientemente organizada para impedir que Messi desequilibrasse o jogo. O meio-campo conseguiu marcar e criar, depois de um início dominante dos argentinos. O ataque muitas vezes foi parado apenas no pontapé ou na cotovelada, como no lance em que Otamendi tirou sangue da boca de Raphinha e não foi expulso.

O erro da arbitragem não fez os brasileiros perderem a cabeça, o que foi fundamental para segurar o habilidoso adversário.

Sair da arapuca armada pelos argentinos sem ter jogador expulso, sem se desorganizar e sem levar gols não é pouca coisa. Foi uma prova de força e maturidade da Seleção Brasileira. Isso, vale lembrar, sem Neymar em campo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL