PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Cobrança de agente por R$ 19,6 mi é herança de gestão anterior, diz Casares

Julio Casares,  presidente do São Paulo - Reprodução/SPFCTV
Julio Casares, presidente do São Paulo Imagem: Reprodução/SPFCTV
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

04/06/2021 13h48

Com Thiago Braga, colaboração para o UOL, em São Paulo

Ao blog, Julio Casares, presidente do São Paulo, afirmou que a cobrança de cerca de R$ 19, 6 milhões contra o clube feita na Justiça pelo empresário André Cury e revelada pelo UOL é uma herança da gestão anterior e que buscará uma solução para o caso.

"Essa é uma situação que herdamos da antiga gestão. Assim como fizemos em todos os casos similares, vamos discutir, com discrição e serenidade, item a item da operação, visando um entendimento da questão e uma solução", declarou Casares.

O clube emitiu um posicionamento oficial no qual trata o caso como suposto questionamento judicial por ainda não ter sido notificado.

Ao se posicionar, o São Paulo também fala em herança da administração anterior, que tinha Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, como ex-presidente.

O blog não conseguiu entrar em contato com o ex-dirigente. Com a condição de não ser identificado, ex-integrante da administração anterior afirmou que a atual diretoria não reclama da herança deixada quando se trata de aspecto positivo, como jogadores valorizados.

A dívida do São Paulo com André Cury começou no dia 1º de julho de 2019, quando assinaram acordo de empréstimo. O valor emprestado serviu para que o Tricolor comprasse o atacante Raniel, junto ao Cruzeiro.Os recursos para o pagamento ao clube mineiro saíram da conta de Cury. No dia 8 de julho Cury depositou R$ 13,7 milhões na conta do São Paulo.

O acordo inicial previa que o time do Morumbi pagaria a quantia em 12 parcelas, a partir de janeiro de 2020. No início de 2020, porém, houve um novo acerto entre Cury e São Paulo. Ficou decidido ali que o empresário daria mais um ano de prazo para o clube começar a pagá-lo. Assim, a dívida foi empurrada para janeiro de 2021. Com juros e correções, os R$ 13,7 milhões saltaram para R$ 19.618.174,73 em menos de dois anos.

Além do pagamento deste valor, que deve ser quitado pelo São Paulo em 15 dias, a Justiça determinou, no dia 1° de junho, que o clube arque com o pagamento de honorários advocatícios correspondentes à 5% do valor da causa.

A seguir, veja o posicionamento oficial do São Paulo

"A respeito do suposto questionamento judicial proposto pelo empresário André Cury, o São Paulo Futebol Clube esclarece que até o presente momento, não recebeu qualquer tipo de citação ou notificação que lhe dê ciência da cobrança.

Sendo assim, o clube não tem como se manifestar a respeito do assunto, reservando a fazê-lo oportunamente, nos autos do processo, quando, repita-se, tiver ciência do mesmo.

De qualquer forma, vale sempre salientar, que a atual gestão do São Paulo herdou significativas pendências financeiras da gestão passada, e, assim como fizemos em todos os casos similares, vamos tratar a situação com discrição e serenidade, visando um entendimento que proporcione a melhor solução do problema para o clube.

É assim que temos trabalhado nos últimos cinco meses. Seguiremos assim".

Se inscreva no canal do Ricardo Perrone no Youtube.

Blog do Perrone