Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Na rodada final do Brasileirão, quem vacilar poderá comprometer 2024

O Palmeiras é virtual campeão brasileiro de 2023. Mesmo que seja derrotado pelo Cruzeiro, Atlético Mineiro e Flamengo têm saldo de gols muito inferior e superá-lo é tão improvável quanto os dirigentes rubro-negros passarem uma temporada sem trocar de técnico.

Mas há muito em disputa, não só na zona do rebaixamento e arredores, como lá em cima, entre os que buscam vaga na Libertadores em sua fase de grupos. No chamado Z4, Santos e Vasco escaparão da Série B vencendo. O Bahia precisa pontuar e secar um dos dois.

Mas na luta pelas três vagas restantes na etapa mais desejada do certame, as possibilidade são amplas. O Red Bull Bragantino já deixou essa luta, vai mesmo participar das fases preliminares em dois mata-matas para alcançar os grupos. Os demais brigam.

O Botafogo incrivelmente está fora do G-4. Precisa derrotar o Internacional, em Porto Alegre, e torcer para que o Atlético Mineiro não vença o Bahia, o Flamengo não derrote o São Paulo ou o Grêmio não bata o Fluminense. Os três também vão jogar fora de casa.

Todos os jogos ameaçam os postulantes às vagas na fase de grupos da Libertadores, inclusive o dos atleticanos, ante a necessidade do tricolor baiano de vencer para sobreviver na Série A. Quem não levar a rodada a sério pode parar na fase preliminar da Libertadores.

E o que isso significa? Um enorme problema. Primeiro pela antecipação na disputa de jogos pelo torneio internacional. Eles começam em fevereiro, já a fase de grupos terá início em abril, quando os estaduais acabarão. Fora o risco de eliminação precoce. A rodada é mais importante do que muitos imaginam.

Siga Mauro Cezar no Twitter

Siga Mauro Cezar no Instagram

Siga Mauro Cezar no Facebook

Continua após a publicidade

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes