PUBLICIDADE
Topo

Jesus, um ano de Flamengo. Tem técnico por aí torcendo para ele ir embora?

Jogadores do Flamengo com Jorge Jesus - Instagram
Jogadores do Flamengo com Jorge Jesus Imagem: Instagram
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

01/06/2020 15h59

Jorge Jesus completa um ano no Flamengo. Seu contrato ainda não foi renovado, termina no dia 19 deste mês. Há boas perspectivas de um acordo e é provável que o português continua no comando do time rubro-negro por pelo menos mais um ano, talvez um pouco mais.

No entanto, o excelente trabalho realizado não parece fustigar treinadores brasileiros na busca por aprimoramento, pelo contrário. Já ouvimos técnicos locais dizendo que o time do português só foi tão vencedor porque investiu muito dinheiro. Que argumento tacanho!

Mais recentemente, houve técnico assegurando que os rubro-negros também seriam vencedores com o antecessor, que pediu demissão dias antes de os dirigentes irem buscar Jesus. Como se tudo girasse apenas na formação do elenco. Eles diminuem sua própria importância.

Fosse assim a seleção brasileira sempre jogaria ótimo futebol e não colecionaria fracassos como nas últimas quatro Copas do Mundo, sempre eliminada por europeus. E com direito à maior humilhação da história do esporte, os 7 a 1 impostos pela Alemanha em 2014.

Enquanto Flamengo e Jorge Jesus não chegam a um acordo para prorrogação do compromisso que está prestes a se encerrar, provavelmente não faltarão velas acesas e dedos cruzados. Um forte torcida para que ele vá embora. Assim os decadentes poderiam ressurgir em meio à velha mediocridade, ou pior.

Mauro Cezar Pereira