PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Mauro Cezar Pereira


Grenal começa em futebol, acaba em porrada e projeta bons duelos. Na bola

Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

13/03/2020 00h36

Normalmente os Grenais têm como característica o visitante mais cauteloso, fechado, e o mandante tomando a iniciativa de jogo. Com Renato Gaúcho Portaluppi em sua versão atual, iniciada em 2016, o Grêmio assumiu nova postura na maioria dos jogos. Agora parece ser a vez do Internacional.

O time colorado ocupou o campo de ataque em diferentes momentos da peleja. Consequentemente, já no primeiro tempo teve mais passes certos (185 a 152) e posse de bola (56% a 44%). Mas foi o Grêmio que mais finalizou antes do intervalo: 6 a 4, com 2 a 1 em arremates certos pelos números do Footstats.

Na metade da etapa final, o time treinado por Eduardo Chacho Coudet tomou conta do jogo, colocou os gremistas em seu próprio campo. O time de Renato se tornou, ali, o que se fecha para sair em velocidade, os visitantes davam as cartas no gramado da Arena tricolor. Um cenário não muito comum.

Sim, o goleiro do Internacional (Marcelo Lomba) trabalhou mais do que o do Grêmio. Mas foi o time de vermelho que mandou duas bolas nas traves justamente quando exercia claro domínio da partida. O duelo se desenvolveu em circunstâncias que fogem do que pode ser definido como "padrão".

Ao final, o Inter seguiu superior em posse de bola (54,5%) e passes certos (387 a 321), com o Grêmio melhor nos arremates (13 a 9, sendo 5 a 3 nas certas). Equilíbrio? Sim. Mas foi jogo entre um time treinado pelo argentino há dois meses contra outro, com o mesmo técnico há mais de três anos.

O próximo Grenal promete. Não pela briga generalizada que resultou em oito cartões vermelhos. Mas pelo futebol que os rivais podem apresentar e suas estratégias, com eventuais surpresas, que os dois comandantes poderão colocar em campo até lá. A ver!

Mauro Cezar Pereira