Casagrande

Casagrande

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

'Meninas Supercampeãs' fizeram a alegria de 40 mil corintianos

Ontem (25), a turma do Duilio Monteiro Alves perdeu as eleições e, enfim, está perto do adeus.

Durante a sua gestão, ele cometeu tantos absurdos e erros. Um dos principais foi virar as costas para a melhor equipe de futebol feminino da América do Sul.

Se há algo no Corinthians que dá orgulho à Fiel torcida, independentemente da gestão, é poder torcer para a equipe mais vencedora do futebol feminino do Brasil e do continente.

A Fiel torcida lotou a Neo Química Arena, na última sexta-feira (24), para assistir a um dos maiores vexames da história do clube, a derrota por 5 x 1 para o Bahia, pelo Brasileirão.

Neste domingo (26), a fanática torcida do Timão voltou a abarrotar o estádio para a final entre Corinthians x São Paulo, pelo Campeonato Paulista feminino.

Foi um jogaço, com cada time com sua estratégia, mostrando um futebol dinâmico, clássico, técnico e plástico, como é o futebol das meninas.

O entrosamento coletivo das meninas do Corinthians é fantástico, juntamente com a técnica individual de cada jogadora. O mais importante é que os jogos são abertos, nenhuma equipe atua na retranca.

O São Paulo tinha a vantagem do primeiro jogo, pois havia vencido por 2 x 1. Já o Corinthians precisava vencer por dois gols de diferença para ser campeão e conseguiu a fechar o placar em 4 x 1.

O que vimos na manhã de hoje foi um duelo espetacular, com gols e jogadas fantásticas.

Continua após a publicidade

O Corinthians marcou seus gols com jogadas trabalhadas há muito tempo pelo ex-treinador Arthur Elias, que agora comanda a seleção brasileira, e que Rodrigo Elias está inteligentemente dando continuidade ao ótimo trabalho de anos.

As Brabas do Timão, em casa, são praticamente imbatíveis. A equipe é um rolo compressor, que vai para cima de qualquer adversário e não dá uma pausa, agride o tempo todo. Claro que isso é possível por ter um elenco grande e muito qualificado. Sai uma e entra outra, mas a dinâmica continua a mesma.

O Tricolor é muito bem armado taticamente pelo treinador Thiago Viana, mas suportar a pressão corintiana na casa alvinegra é muito complicado. É lembrar que o forte Palmeiras tomou de 8 x 0 há duas semanas.

Os gols foram saindo normalmente, principalmente para o Corinthians. Todos foram de jogadas de fundo de campo planejadas. O primeiro foi de bola parada, ensaiada com a inversão de jogo nas costas da defesa são-paulina que foi para a ótima Jaqueline fazer de cabeça, como combinado.

Tarciane fez o segundo também de cabeça, com a jogada de lado é ótimo passe da Gabi Portilho. O terceiro foi anotado pela Vic Albuquerque. Já o quarto foi de uma digna camisa 9. Jheniffer entrou e na primeira bola fez o seu gol com muito oportunismo típico de uma grande centroavante.

Mas na realidade, o gol mais lindo, que foi uma pintura, quem marcou foi a tricolor Dudinha, que também tinha entrado e deu uma pancada de fora da área com o pé esquerdo, mandando a bola na gaveta. Só deu para a goleira corintiana Letícia observar.

Continua após a publicidade

Mais de 40 mil pessoas foram até Itaquera para assistir e vibrar com mais um título deste ano histórico para o futebol feminino do Corinthians, que também venceu a Copa Libertadores e o Campeonato Brasileiro da categoria.

A organização do departamento feminino é fantástica, comandada por Cris Gambare, que dá mil a zero na diretoria derrotada nas eleições.

Essas meninas merecem ser muito valorizadas no clube, e é isso que espero do novo presidente Augusto Melo, que precisará ser completamente diferente de Duilio Monteiro Alves.

Parabéns às meninas do Corinthians, que são multicampeãs e honram o manto preto e branco do Timão.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes