PUBLICIDADE
Topo

Alemão - 2019

Leitura labial será usada contra Vágner Mancini em julgamento do Ba-Vi

Vagner Mancini será um dos julgados da próxima terça-feira, no TJD-BA - Tiago Caldas / E.C Vitória.
Vagner Mancini será um dos julgados da próxima terça-feira, no TJD-BA Imagem: Tiago Caldas / E.C Vitória.

Marcello De Vico

Do UOL, em Santos (SP)

23/02/2018 18h28

O julgamento do polêmico Ba-Vi disputado no último domingo (18) está marcado para a próxima terça-feira (27), às 18h, em Salvador. Nele, estarão em pauta 15 denúncias apresentadas pelo procurador do Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol da Bahia (TJD-BA), Hermes Hilarião, entre elas uma contra o técnico Vágner Mancini, do Vitória, acusado de ‘ferir a ética disciplinar e suspender’ o clássico, válido pelo Campeonato Baiano.

A acusação é de que Vágner Mancini teria mandado um recado a seu jogador, Bruno Bispo, para forçar o segundo cartão amarelo e, com isso, provocar o encerramento da partida, já que, neste momento, o Vitória estava com apenas sete jogadores em campo (número mínimo permitido para o jogo prosseguir). Para esta denúncia em especial, Hermes Hilarião confirmou que serão utilizadas duas matérias feitas com especialistas em leitura labial – uma da ESPN e outra da TV Globo da Bahia – que procuraram decifrar as palavras de Mancini a seu jogador.

“Eu juntei os trabalhos feitos de leitura labial na denúncia. Uma da ESPN e outra veiculada no Globo Esporte”, disse o Procurador em entrevista exclusiva ao UOL Esporte. Em ambas as reportagens, os especialistas sugerem que Vágner Mancini realmente deu ordem ao seu jogador – o zagueiro Ramon – para pedir a Bruno Bispo para receber o segundo cartão amarelo.

Edital do julgamento do Ba-Vi - Reprodução/Site oficial da FBF - Reprodução/Site oficial da FBF
Imagem: Reprodução/Site oficial da FBF

Vitória desclassificado e rebaixado no Baiano?

Uma das denúncias mais polêmicas oferecidas pelo Procurador é contra o Vitória. Hermes Hilarião pede a desclassificação e o rebaixamento do clube rubro-negro por, segundo ele, encerrar a partida ‘de forma intencional’ e prejudicar terceiros, no caso, Jequié e Fluminense de Feira. Ambos somam dez pontos e estariam à frente do Bahia em caso de empate no Ba-Vi. Vale lembrar que a Federação Bahiana de Futebol (FBF) determinou o triunfo por 3 a 0 dos tricolores.

“Eles foram atingidos diretamente porque tanto Jequié quanto Fluminense de Feira estavam na frente do Bahia, e o Bahia passou eles de modo que, hoje, se o Jequié e o Fluminense caminharem pelas próprias pernas, não conseguem passar o Bahia”, justificou o Procurador.

Ameaças de torcedores do Vitória

Desder a noite da última quinta-feira (22), quando as denúncias foram oferecidas, Hermes Hilarião vem sofrendo uma série de ameaçadas de rubro-negros. “Estou recebendo ameaças de torcedores em relação a mim e a meus familiares, mas a atuação da Procuradoria continuará sendo firme”, garante o Procurador, que promete adotar medidas contra os aficionados.

“Estou avaliando juntamente com um advogado criminalista e, certamente, essas pessoas posteriormente serão responsabilizadas. Estão ligando, mandando Whatsapp, e algumas delas eu consigo identificar porque tem foto. Certamente algumas medidas serão adotadas”, finaliza.

VEJA TODAS AS DENÚNCIAS OFERECIDAS

INFRATORES – FATO – PENA LIMITE

Vitória - Provocar suspensão do jogo causando prejuízo desportivo a terceiros – Desclassificação do Campeonato Baiano 2018, Rebaixamento para a Série B do Campeonato Baiano, multa de até 100 mil

Vágner Mancini – Fere ética disciplinar/suspender jogo – 01 a 06 partidas

Kanu – Agressão + ameaça – 100 reais a 100 mil + 04 a 12 partidas

Yago – Agressão – 04 a 12 partidas

Denílson – Agressão – 04 a 12 partidas

Rhayner – Agressão – 04 a 12 partidas

Edson – Agressão – 04 a 12 partidas

Rodrigo Becão – Agressão – 04 a 12 partidas

Fernando Miguel – Ato hostil – 01 a 03 partidas

Lucas Fonseca – Empurrar com força excessiva pescoço / ato desleal e hostil – 01 a 03 partidas

Vinicius – Comemorar com gestos obscenos – 02 a 06 partidas

Bruno Bispo – Fere ética disciplinar / suspender jogo – 01 a 06 partidas

André Lima – Fere ética disciplinar / suspender jogo – 01 a 06 partidas

Ramon – Fere ética disciplinar / suspender jogo – 01 a 06 partidas

Mario Silva (supervisor) – Fere ética disciplinar / suspender jogo – 01 a 06 partidas

Relembre o que aconteceu no confronto

Briga generalizada no clássico entre Bahia e Vitória - MARGARIDA NEIDE/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO - MARGARIDA NEIDE/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: MARGARIDA NEIDE/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO
A partida foi encerrada antecipadamente porque o Vitória ficou com apenas seis jogadores em campo - um time precisa ter ao menos sete para seguir jogando. Kanu, Rhayner, Denilson, Uillian Correia e Bruno Bispo, do Vitória, levaram vermelho. No Bahia, os expulsos foram Lucas Fonseca, Vinícius, Rodrigo Becão e Edson, sendo que os dois últimos estavam no banco.

Denilson abriu o placar para o Vitória no 1º tempo. A briga começou quando Vinicius, do Bahia, fez o gol do empate, no 2º tempo. Ele converteu a penalidade e fez uma dança de "créu" na comemoração, em frente à torcida rubro-negra, o que irritou os jogadores do Vitória. Com isso, uma briga generalizada teve início e fez com que a partida ficasse paralisada por 16 minutos.

Depois da briga, a partida foi reiniciada, mas durou pouco. Primeiro, Uillian Correia foi expulso por fazer falta dura em Zé Rafael. Depois, Bruno Bispo também recebeu o cartão vermelho por chutar a bola para longe e retardar uma cobrança de falta e deixou o Vitória com apenas seis jogadores em campo, o que fez o árbitro encerrar a partida aos 34min do segundo tempo. Agora, caberá aos auditores da comissão disciplinar do TJD-BA julgarem se as expulsões foram ou não propositais.