PUBLICIDADE
Topo

Alemão - 2019

Vitória promete punir brigões; Bahia condena seu atacante 'provocador'

Atacante Vinícius, do Bahia, a caminho da delegacia após o polêmico Ba-Vi - Ulisses Gama / Bahia Notícias - Ulisses Gama / Bahia Notícias
Imagem: Ulisses Gama / Bahia Notícias

Do UOL, em Santos (SP)

19/02/2018 11h19

A segunda-feira (19) dos presidentes de Bahia e Vitória começou assim como terminou o domingo (18) de Ba-Vi: bastante agitada. Os dirigentes concederam uma série de entrevistas pela manhã nas quais, naturalmente, saíram em defesa de seus clubes. Porém, ambos não aliviaram para os jogadores de seus times que estiveram envolvidos nas confusões.

Além de uma provável punição no Tribunal de Justiça Desportiva da Bahia, os jogadores do Vitória não escaparão de punições do próprio clube. Em entrevista ao canal Sportv, o presidente do Vitória, Ricardo David, admitiu que a diretoria já vem fazendo uma avaliação de tudo que aconteceu durante o clássico.

“Sabemos da nossa responsabilidade, já iniciamos de manhã uma avaliação fria porque precisam ser feiras com serenidade. Os atletas nossos envolvidos serão punidos, eles têm uma parcela significativa de responsabilidade. Disso não tenha dúvida”, disse o dirigente rubro-negro.

Ricardo David, presidente do Vitória - Maurícia da Matta/E.C. Vitória - Maurícia da Matta/E.C. Vitória
Imagem: Maurícia da Matta/E.C. Vitória
Além de culpar seus jogadores pela confusão, Ricardo David também lamentou a dancinha feita por Vinícius. "Esse atleta vai em direção à torcida, ofensivo, que não contribui em nada para o espetáculo. A partir daí vimos uma atitude inadequada de nosso goleiro Fernando Miguel, ele próprio admitiu a culpa depois. foi uma atitude errada, mas não levou à agressão, foi uma abordagem acintosa. Mas depois disso desencadeou [a briga]", disse.

"O jogador Edson foi ao banco de reservas e cometeu a primeira agressão, no Kanu. Depois se desenrola algo deplorável. Ficou generalizada. Aí vou dizer que daí para frente não tem mais santo, todo mundo é culpado e responsável, merecem ser punidos pelo que fizeram. Nós internamente não pouparemos, tomaremos atitude em relação ao que não condiz com o que pregamos", acrescentou.

Bahia admite ‘postagem inadequada’ de atacante

Vinícius, atacante do Bahia, fez postagem polêmica em rede social antes do clássico - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram
A confusão generalizada do Ba-Vi não teve início apenas dentro de campo. Ela conta com capítulos anteriores ao apito inicial, como o polêmico comentário feito pelo próprio Vinícius – agredido no clássico – nas redes sociais. Em entrevista ao canal Fox Sports, o próprio presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, admite que o atacante passou dos limites.

“O que a gente vai tratar são de fatos. Vou falar do que eu ouvir. Nós conversamos com o atleta para evitar essas coisas, sobre uso de redes sociais. Foi uma postagem um pouco inadequada, ele foi chamado por nós. Isso é muito recorrente. A gente entendeu que foi um pouco acima do necessário. Mas algo normal, não deveríamos não ter escalado o jogador”, analisou.

“A gente tem outros exemplos de provocações em redes sociais feitos por atletas do Vitória, contra o Bahia. E não achamos nada demais”, acrescentou o dirigente.

Guilherme Bellintani, presidente do Bahia - Felipe Oliveira / EC Bahia - Felipe Oliveira / EC Bahia
Imagem: Felipe Oliveira / EC Bahia
De acordo com Guilherme Bellintani, Vinícius costuma fazer a mesma dancinha em quase todos os gols que marca. “Ele faz em todos os gols dele. O último gol dele, ele fez esse gesto. Isso é recorrente, é o jeito de ele fazer”, disse.

“É uma dança, ele faz inclusive em frente à torcida do Bahia. Erro foi fazer em frente à torcida do Vitória. Mas ele não é nem de perto culpado pelo que tudo aconteceu. Tomou dois murros na cara e não reagiu. Se a gente entender que dancinha dá esse direito, futebol brasileiro tem que acabar e ir para casa”, acrescentou em entrevista à ESPN.

Segundo o dirigente tricolor, a grande parcela de culpa de toda confusão deve ser creditada ao Vitória, e não ao Bahia: “Não estou defendendo apenas. Mas tudo foi iniciado por atletas do Vitória, que geraram essa cena lamentável”.

Houve comunicação externa? Vitória nega

De acordo com Guilherme Bellintani, as expulsões do Vitória que resultaram no encerramento da partida foram resultantes de ‘comunicação externa’. “O atleta André Lima faz idas e vindas no prédio da administração do Vitória. Comunicação externa houve”, completou.

O presidente do Vitória, por sua vez, nega: "O que tem sido dito é que houve uma determinação de direção da Vitória para que fosse provocado [o final do jogo]. Isso não aconteceu. Efetivamente não aconteceu. O [Vágner, técnico] Mancini estava falando do posicionamento e que teria que ter uma postura mais defensiva. E o que aconteceu... Um outro atleta nosso [Bruno Bispo], jovem, que subiu agora, que estava naquele momento de pressão - já havia levado a amarelo -, tomou aquela atitude pessoal de impedir que a falta fosse batida, e foi expulso".

 O que aconteceu em campo?

A partida foi encerrada antecipadamente porque o Vitória ficou com apenas seis jogadores em campo - um time precisa ter ao menos sete para seguir jogando. Kanu, Rhayner, Denilson, Uillian Correia e Bruno Bispo, do Vitória, levaram vermelho. No Bahia, os expulsos foram Lucas Fonseca, Vinícius, Rodrigo Becão e Edson, sendo que os dois últimos estavam no banco.

Denilson abriu o placar para o Vitória no 1º tempo. A briga começou quando Vinicius, do Bahia, fez o gol do empate, no 2º tempo. Ele cobrou pênalti com sucesso e fez uma dança de "créu" na comemoração, perto da torcida rubro-negra, o que irritou os jogadores do Vitória. Então começou a briga generalizada, que fez a partida ser paralisada por 16 minutos.

Briga generalizada no clássico entre Bahia e Vitória - MARGARIDA NEIDE/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO - MARGARIDA NEIDE/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: MARGARIDA NEIDE/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO

O primeiro a reclamar com Vinícius foi o goleiro Fernando Miguel, que puxou a camisa do meio-campista e esbravejou. Depois chegaram outros jogadores do Vitória para fazer o mesmo. Quando os atletas do Bahia foram se envolver na confusão, começaram as trocas de socos, chutes e empurrões. O zagueiro Kanu acertou um soco em cheio em Vinícius.

Depois da briga, a partida foi reiniciada, mas durou pouco. Primeiro Uillian Correia foi expulso por fazer falta dura em Zé Rafael. Depois, Bruno Bispo também foi expulso por chutar a bola para longe e retardar uma cobrança de falta.

Atacante registra BO contra cinco do Vitória

Logo após a partida, Vinícius compareceu à Central de Flagrantes, em Salvador, para registrar um boletim de ocorrência. Ele foi à delegacia acompanhado do vice-presidente do Bahia, Vitor Ferraz, e registrou BO contra o goleiro Fernando Miguel, o zagueiro Kanu, o meio-campista Yago e os atacantes Denílson e Neílton, sendo os quatro primeiros por agressão e o último por ameaça. Vinícius realizou exame de corpo de delito e agora espera pelo encaminhamento do inquérito.

FBF promete apurar responsabilidades

Em nota divulgada ainda na noite de domingo (18), a Federação Bahiana de Futebol (FBF) lamentou o ocorrido e informou que todas as questões relacionadas ao Ba-Vi já estão sendo analisadas e serão encaminhadas ao TJD-BA.

“A Federação Bahiana de Futebol repudia qualquer tipo de violência dentro e fora de campo e lamenta profundamente o ocorrido. Assim que recebermos a súmula da partida nesta segunda-feira, vamos encaminhá-la à procuradoria do Tribunal de Justiça Desportiva para que as medidas cabíveis sejam tomadas. Temos a obrigação de organizar as competições da melhor maneira, colocar uma arbitragem experiente em campo. Nesse momento, precisamos ter os nervos nos lugares. Ao mesmo tempo, vamos apurar as responsabilidades de todo o ocorrido”, diz.

Nota oficial do Vitória

O Esporte Clube Vitória lamenta profundamente os incidentes ocorridos no clássico BaVi deste domingo (18), no Barradão. O futebol baiano vive um processo irreversível de profissionalização na gestão dos clubes e a briga generalizada, que marcou a partida válida pela sexta rodada do Campeonato Baiano 2018, é oposta a tudo o que o clube tem implementado desde dezembro de 2017.

Informamos que os atletas envolvidos nos incidentes ocorridos no início do segundo tempo do jogo já foram notificados e serão punidos internamente pelo Esporte Clube Vitória. Os atos de violência não são justificados e não estão de acordo com os valores da instituição. O clube aproveita o ensejo para lamentar postura e atitudes do atleta Vinícius, do Esporte Clube Bahia. O jogador irresponsavelmente incitou a violência antes do clássico, por meio de ofensas nas redes sociais, e durante o jogo, com gestos obscenos na comemoração de um gol.

Os atletas profissionais dos dois maiores clubes do estado deveriam servir de exemplo e o Vitória insistirá em ações e palestras internas para que seus representantes tenham condutas alinhadas aos valores da nossa instituição.

O clube acrescenta que o seu departamento jurídico está tomando todas as providências cabíveis e necessárias à preservação e defesa dos interesses do Esporte Clube Vitória, principalmente nas esferas da Federação Bahiana de Futebol e TJD-BA, incluindo todo o suporte aos atletas envolvidos no episódio.

O Esporte Clube Vitória reforça que não houve ordem ou orientação aos atletas por parte da direção para que houvessem expulsões suficientes para que a partida fosse encerrada pelo árbitro do jogo. Nos seus 119 anos de vida, o Esporte Clube Vitória sempre foi referência de esportividade, fair play e ética, e jamais fugiu à luta em qualquer competição na sua centenária e vitoriosa história.