PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

Carrasco brasileiro, Boca tem nova obsessão

Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

25/11/2020 08h08

O Boca Juniors encara o Inter hoje (25) no Beira-Rio totalmente cômodo no seu papel de rival brasileiro na Libertadores. Os portenhos são enormes carrascos dos times do país: em 19 mata-matas, o Boca se classificou em nada menos que 16 vezes contra equipes do Brasil.

Salvio - GettyImages - GettyImages
Eduardo Salvio, autor dos dois gols do Boca Jrs
Imagem: GettyImages

O desempenho do Boca é tão expressivo que equivale a quase metade das vitórias das equipes argentinas sobre as brasileiras em mata-matas na Libertadores: das 34 séries vencidas pelos clubes vizinhos, 16 são do Boca. Vêm depois River (cinco), San Lorenzo e Estudiantes (que eliminaram brasileiros em três mata-matas).

As únicas três derrotas do Boca para brasileiros em duelos diretos foram para Santos (decisão, em 1963), Fluminense (semifinal 2008) e Corinthians (decisão 2012). E as maiores vítimas xeneizes são o Palmeiras (três derrotas, em 2000, 2001 e 2018) e o Cruzeiro (1977, 2008 e 2018).

Por muito tempo, a torcida do Boca disse que para entrar no Brasil não precisava nem de passaporte e nem de DNI (o RG argentino). Bastava a carteirinha de sócio do Boca. Mas os tempos são outros, e o clube não anda para brincadeiras, por mais que deslize na tentativa de provocar o River, seu eterno rival.

Foi muito criticada na Argentina a ação da diretoria do Boca de entregar a camisa do time a Gabigol justamente no aniversário de um ano da vitória do Flamengo sobre o River na final da Libertadores. Definições como "papelão institucional" foram repetidas nas rádios e nas TVs, insistindo que comemorar a derrota do rival é sinal de baixa estatura. Afinal, as piores derrotas do River foram para Lanús e Flamengo, por exemplo, enquanto as quedas mais dolorosas do Boca foram justamente para o River, que levou a melhor nos últimos cinco mata-matas entre ambos.

É com esta obsessão - superar o rival local - que o Boca joga a atual Libertadores. A última imagem deixada na Copa foi a eliminação ante o River na semifinal do ano passado, então o mata-mata que o clube abre agora contra o Inter tem esta conotação de revide perante a metade vermelha e branca da Argentina.

O técnico Miguel Ángel Russo conta com a volta de Eduardo Salvio, que se recuperou de uma distensão muscular sofrida há 15 dias. O provável time titular hoje em Porto Alegre é o seguinte: Esteban Andrada; Julio Buffarini, Lisandro López, Carlos Izquierdoz e Frank Fabra; Sebastián Villa, Nicolás Capaldo, Jorman Campuzano e Edwin Cardona; Carlos Tevez e Eduardo Salvio (Franco Soldano).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.