PUBLICIDADE
Topo

Raí tem a coragem para estar na posição mais perigosa do futebol

Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi

Dar continuidade, atualizar e incrementar o "Posse de Bola" com informações quentes e análises ao longo da semana -- com a chancela da dupla que criou o Podcast, trabalhou junta desde os primórdios no Notícias Populares, passando pela ESPN, e hoje tem um canal no Youtube.

22/04/2020 12h14

Arriscar a imagem imaculada de ídolo nos gramados para exercer um cargo diretivo no futebol. Vale a pena? Vale o sacrifício?

A discussão permeou o Posse de Bola #29 quando analisamos os casos de Raí, no São Paulo, e Roberto Dinamite, no Vasco.

A entrevista de Diego Lugano ao nosso canal no Youtube (www.youtube.com/c/arnaldoetironi) trouxe mais elementos para a conversa. E revelações...

Companheiro de Raí na atual diretoria do São Paulo, mas sem as mesmas responsabilidades (Lugano é superintendente de relações institucionais, enquanto Raí é o homem forte do futebol), o uruguaio enalteceu o trabalho "oculto" do parceiro no clube.

Para Lugano, Raí teve coragem, está se sacrificando e é o homem certo para exercer o cargo mais "perigoso" no futebol atual.

-É muito perigoso para alguém da estatura do Raí se colocar nesta posição, que é a mais poderosa do futebol, a de diretor de futebol. É o posto mais visado do mercado. É quase impossível manter a ética e a moral nesta posição, porque ela envolve muito poder e muito dinheiro. Então, é preciso ter honestidade, trajetória, história no clube e honestidade. Só um cara com a imagem imaculada como o Raí pode exercer.

Faltam oito meses para terminar o mandato de Raí, já que o São Paulo terá eleição presidencial e não há nenhuma garantia de que ele permanecerá no cargo dependendo de quem for o vencedor.

Em menos de três anos, o ídolo envelheceu, se desgastou, foi xingado pela torcida, abandonou sua vida social e colocou em risco a tal imagem imaculada dita por Lugano.

No último domingo, uma reprise na TV mostrou a final do mundial de clubes de 92, em que o São Paulo vence o "dream team" do Barcelona por 2 a 1, com dois gols e estupenda atuação de Raí.

O mais intrigante dessa história é como alguém arrisca arranhar a imagem que deixou naquele dia no Japão para se colocar na posição em que a maioria fracassa. Dá pra explicar?