PUBLICIDADE
Topo

Entrevista de Jorge Jesus é outro tapa na cara do futebol brasileiro

Jorge Jesus foi entrevistado por Benja no Jogo Sagrado do Fox Sports - Reprodução
Jorge Jesus foi entrevistado por Benja no Jogo Sagrado do Fox Sports Imagem: Reprodução
Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi

Dar continuidade, atualizar e incrementar o "Posse de Bola" com informações quentes e análises ao longo da semana -- com a chancela da dupla que criou o Podcast, trabalhou junta desde os primórdios no Notícias Populares, passando pela ESPN, e hoje tem um canal no Youtube.

10/03/2020 11h54

Pela primeira vez desde que chegou ao Brasil, Jorge Jesus esteve em um programa ao vivo. Foi segunda-feira no Jogo Sagrado da Fox Sports, comandado por Benjamin Back, o Benja.

Por mais de duas horas o português esteve aberto, seguro, sincero (a sinceridade que já foi confundida com arrogância). Só deixou de responder a algumas poucas perguntas que pudessem revelar coisas importantes sobre o Flamengo e dar munição aos adversários.

Desde que desembarcou no Rio de Janeiro, Jorge Jesus foi derrubando mitos e deixando atarantada toda a comunidade de treinadores brasileiros, que até agora ainda parece não entender bem o que está acontecendo.

1- Assim que chegou, transformou o time do Flamengo em uma máquina de vencer, escalando jogadores que seu antecessor Abel Braga não conseguia escalar juntos.

2- Escalou o melhor que poderia na grande maioria dos jogos, sem poupar jogadores e empilhou vitórias e títulos.

3- Nunca deixou de jogar agredindo adversários, mesmo quando já tinha um placar confortável nas partidas. É ataque até os 50min do segundo tempo.

4- faz o time reserva jogar com a mesma intensidade do titular.

Jorge Jesus é bom na prática e também no discurso, como comprovou na Fox . Deu a melhor entrevista de um técnico em território nacional em muito tempo. E derrubou mais um mito: dá pra ser sincero, direto, espontâneo e profundo diante dor jornalistas.

Por aqui as referências impactantes até então eram os auto-elogios de Luxemburgo (o "inventor de tudo" o que aconteceu no futebol), a arrogância meio folclórica de Renato Gaúcho ou o jeito ranzinza de Muricy Ramalho. O que aconteceu segunda-feira foi de "outro patamar".

Jesus falou sobre suas preferências (jogar no 3-5-2). chorou ao falar do pai, nomeou quuais jogadores estiveram abaixo do nível no jogo contra o Liverpool, entre muitas outras coisas.

E chegou ao topo, ao cutucar o treinador da Seleção Brasileira atual e, de certa forma, seus antecessores. Disse que Tite pode decidir o Brasileirão com a convocação para a Copa América (desfalcando o Flamengo e outros times por dez rodadas) e insistiu que não é aceitável que o Brasil fique tanto tempo sem ser campeão do mundo pela quantidade de bons jogadores que o país produz.

Mais um tapa na cara bem dado - de muita gente. Por Jorge Jesus. (Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi)