PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

MN: Empresário acerta ao reclamar do Fla. Sem patrocínio, o futebol acaba!

Pedro agradece Vitinho pela assistência em jogo do Flamengo contra o RB Bragantino - Diogo Reis/AGIF
Pedro agradece Vitinho pela assistência em jogo do Flamengo contra o RB Bragantino Imagem: Diogo Reis/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
Milton Neves

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

20/10/2021 15h50

Primeiramente, deixo claro que nunca tive e não tenho contato algum com o pessoal da Moss.

Esclareço tal ponto para que ninguém pense que escrevo este post para defender um cliente.

Mas acontece que Luís Felipe Adaime, CEO da plataforma ambiental que patrocina os meiões do Flamengo, está certíssimo na crítica que fez na última terça-feira (19) no Twitter.

"1. Foi penalty 2. Vitinho com as meias arriadas. De Novo @Flamengo! Isso pode Arnaldo??? Cade o logo da @moss_earth #nãoarreiaameiavitinho", escreveu o empresário em seu perfil no Twitter.

E ele está mais do que certo!

Assim como quando as empresas de patrocínio master reclamam dos jogadores que tiram suas camisas na hora do gol (ou tiravam, já que agora o atleta é punido com cartão amarelo) ou na comemoração de um título.

Pô, o a empresa é fundamental para a conquista do clube e, na hora mais importante, é escanteada?

Absurdo!

Por isso, jogadorzada, vamos deixar os patrocinadores do clube bem à mostra nos uniformes.

Mais respeito com quem paga parte do salário de vocês!

E, sem eles, não teria jogo, campeonato, chuteira, bola...

Ah, e muitos jornalistas também depreciam seus patrocinadores quando da hora dos comerciais, soltando um irritante "o intervalo é rapidinho e a gente já volta".

Ora, pessoal, programa bom tem intervalo longo!

Por isso que eu gostava mesmo era do histórico Flávio Cavalcanti que, quando da hora do break, anunciava: "Com vocês, nossos comerciais, por favor!".

Direto e respeitoso com os clientes da emissora.

Opine!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL