Milly Lacombe

Milly Lacombe

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Mulher não está em paz nem depois de morta

Houve um dia em minha vida que determinada informação passou por mim e ela me causou tanto desespero, desconforto e asco que eu achei que mantê-la alcançável me adoeceria. Então eu joguei a informação em um ambiente interno desses em que jogamos as coisas com as quais não queremos ou não conseguimos lidar. A informação era a seguinte, dada por alguém que sabia do que estava falado: se sua filha ou uma amiga morrer jovem não deixe o corpo dela sozinho nem por um minuto. Só o abandone depois do enterro. Mulheres seguem sendo abusadas mesmo depois de mortas, me disseram nesse dia.

Eu optei por esquecer forçadamente.

Agora, diante da revelação de que é isso mesmo o que acontece e de que se trata de um crime ensinado em cursinhos por supostos professores que são supostamente humanos, não há como seguir fingindo que eu nunca escutei o que me disse aquela pessoa num passado nem tão distante.

O abuso do corpo feminino é diário, como fica fácil constatar por pesquisas e pelo noticiário. Eu inclusive sugeriria ao noticiário que fosse criada a retranca "violência de gênero" ou "feminicídio" para que melhor contextualizássemos o que acontece com mulheres de todas as classes, de todas as raças, de todas as religiões, de todas as etnias todo santo dia.

Corremos para apontar o horror que é ser mulher em partes do mundo árabe como se ser mulher por aqui fosse uma experiência radicalmente diferente. Deixa eu contar uma coisa para vocês: não, não é.

Não temos a liberdade de sair pelas ruas sozinhas, não podemos ir ao estádio sozinhas, a shows, ao mercado, entrar no elevador quando só há homens, ao banheiro do shopping center, ao cinema. Não estamos seguras dentro de nossas casas e tampouco ao lado da pessoa que diz nos amar e que a sociedade insiste que é quem vai nos proteger.

Uma sociedade construída sobre a premissa de que precisamos de proteção é uma sociedade fracassada de saída.

As palavras do tal Evandro Guedes, parceiro de Eduardo Bolsonaro, sobre como abusar do corpo de uma mulher morta são realmente abjetas. Mas o que sai da boca dele é um sintoma e um diagnóstico. O debate não é a necrofilia, mas o que o corpo feminino representa nessa sociedade e de que formas ele segue sendo abusado.

O que diz Evandro Guedes é sintoma do patriarcado que coloca a ideia de hegemônica família como um núcleo hierárquico dentro do qual papai manda, mamãe obedece, filhos se curvam às normas da heterossexualidade que carrega com ela misoginia em estado puro. É o diagnóstico do fracasso que é o regime da diferença sexual.

Continua após a publicidade

Não se trata de um caso isolado. É prática social. É o dia a dia. É o tapa na cara diante do filho, é o "você acha mesmo que precisa comer essa sobremesa? Tá rechonchudinha demais. Depois meu pau não sobre e você reclama". É o "com essa saia mulher minha não sai". É a traição farta mesmo dentro do relacionamento monogâmico. É a prensada no transporte público. É o chefe que conta histórias de teor sexual e pede conselhos. É a masturbação no ônibus. É a foto da nossa bunda roubada no metrô. É tudo isso que nos leva ao corpo abusado no necrotério. De isolado esse caso Evandro não tem nada e quem insistir em enxergar assim a deplorável situação está fazendo mobilizado por privilégio de gênero.

O corpo feminino mesmo sem vida ainda é local de abuso, opressão, violência, dominação. Não é pelo prazer do gozo; é pelo prazer da superioridade, da autoridade, da soberania.

Estupro é arma de guerra usada por todos os exércitos do mundo. Não há no planeta homens de farda que invadam territórios e, no ato da invasão, dispensem essa poderosa ferramenta desmoralizante e dominadora. Não é sobre sexo, é sobre poder.

A masculinidade como ela se apresenta hoje é uma doença, uma infecção, uma pandemia. É preciso que nos livremos dela. Ser homem não tem nada a ver com essa ideia de masculino consumida por todos, todas e todes nós. Seria preciso falarmos abertamente sobre necessidade de deixar de ser esse homem. Enquanto não fizermos isso nossos corpos seguirão sendo abusados nas ruas, em nossas casas e nos necrotérios.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes