PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Marília Ruiz: Sem dentada não há futebol (amor) possível

Paulo Sousa, apresentado como técnico do Flamengo - Alexandre Vidal/CRF
Paulo Sousa, apresentado como técnico do Flamengo Imagem: Alexandre Vidal/CRF
Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

10/01/2022 18h48

O mercado de transferências no começo da nossa temporada está mais suave do que queriam as torcidas, mais condizente com os saldos negativos das contas dos clubes e, portanto, menos espetaculoso e mais saudável. Mas não dá pra dizer que está morno.

No Rio, os dias da novela Jesus-Flamengo sem final feliz ocuparam boa parte das férias. O mocinho, que na verdade é "malvadão", não ficou com o par romântico esperado. Mas o amor fulminante de Flamengo e Paulo Sousa já rendeu declarações apaixonadas, memes, sósias e... críticas, porque somos nós, né? Já o Fluminense ligou o turbo e contratou trintões conhecidos e consagrados. O Botafogo? Agora é "home of the brave". Morno só o mercado do Vasco, mesmo.

O desenlace Cuca e Galo deixou reticências. O atual campeão ao cubo ficou sem técnico, abriu mão de Diego Costa, negociou o ótimo Junior Alonso e viu o seu "rival favorito", ainda que na Série B, ser vendido. Morno em BH não foi, né?

Em Porto Alegre, Inter ainda toca a reformulação "Paulo Paixão, que caiu antes dela, e Grêmio faz reformulação vaivém: dá para dizer que bate-volta de Diego Souza foi morno? Dá para dizer que a rotina do romântico Douglas Costa é morna?

Em SP, para fechar o "eixo", o "primo pobre" Santos segue "conservador", e o "primo rico" Palmeiras faz contratações sem glamour, mas muito interessantes (apesar de parte da torcida cobrar "impacto"). O São Paulo, sim, contrata surpreendentemente mais do que esperado e reforça bem o time: vai ser difícil Rogério Ceni justificar erros com base na formação do elenco - todo pensando por ele. Já Corinthians trouxe "apenas" Paulinho (Bruno Melo não foi anunciado ainda), mas tem lotado manchetes sobre a iminente chegada de um 9. Está bem mais do que morno, não?

Eu entendo, entretanto, quem se entendia.

Parafraseando Nelson Rodrigues, futebol é frio ou morde. Sem dentada não há futebol (amor) possível.