PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Marília Ruiz: FPF marca eleição para início do Paulista

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

31/12/2021 12h06

Ainda em janeiro será decidido o próximo presidente da Federação Paulista de Futebol.

31 de janeiro*, logo após a estreia do Estadual-22, foi o dia escolhido por Reinaldo Carneiro Bastos para marcar a eleição à presidência da FPF para o quadriênio 2023/24/25/26.

As chapas têm de hoje até o dia 10 de janeiro para serem inscritas de acordo com o regulamento eleitoral da entidade.

A antecipação da eleição (a anterior foi feita em agosto de 2018) foi recebida com surpresa por alguns presidentes de clubes paulistas ouvidos por essa colunista no último dia de 2021. Alguns nem haviam visto o edital publicado em alguns jornais neste 31 de dezembro. A impressão geral é que se queira reforçar a força da federação após a retomada da Copa SP de Juniores (a do ano passado foi cancelada por causa da pandemia do novo coronavírus) e antes do início do Estadual que mais "rico" do Brasil.

Em um momento de incerteza na CBF (cujo comando de Rogério Caboclo, paulista, afastado, foi substituído pelo baiano Edinaldo Rodrigues) e de espera na embrionária da Liga de Clubes, a Federação Paulista (e as outras também) se articula para não perder espaço e reforçar sua ligação com os clubes que lhe garantem força política (e econômica).

Presidente do Esporte Clube Taubaté até 1988, Reinaldo Bastos chegou à vice-presidência da FPF em 1996, quando Eduardo José Farah era o mandatário. Seguiu no cargo quando Marco Polo Del Nero assumiu a entidade em 2003 (movimento que o desagradou, porque estava há mais tempo ao lado de Farah) e se tornou presidente em 2015, quando Del Nero sucedeu José Maria Marin na CBF. Isso aconteceu na "remota" era em que Bastos e Del Nero ainda não haviam se tornado antagonistas políticos.

Agora cenário é bem mais turvo agora.

A situação da FPF, liderada por Reinaldo Carneiro Bastos, que não teve opositor no pleito de 2018, fala com cautela sobre o tema. Nos bastidores acredita-se que o cenário deve se repetir.

Banido do futebol pela Fifa por corrupção, Del Nero, presidente da FPF de 2003 a 2015, atuou para formar uma frente de oposição a Bastos na eleição de 3 anos atrás (boicotada pelo Palmeiras). Marquinhos Chedid seria o representante da oposição. Ligado ao Bragantino, ele desistiu da ideia, e a eleição foi a primeira com candidato único em mais quase três décadas.

Não faltam descontentes com a FPF e com o Estadual: os grandes pelos seus motivos; os pequenos, pelos seus. Esse ano há ainda a novidade da venda dos direitos de TV para multiplataformas e multicompradores.

Entretanto a eleição vai anteceder o resultado dessa revolução. Vai anteceder a bola rolando no Paulista-22.

Acreditem nessa que já cobriu muitas eleições da FPF: estão e estarão todos pressionados.

* Correção: a data da eleição havia erroneamente informada na primeira edição do post (será dia 31; não dia 25)