PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Marília Ruiz: Abel e Cuca contra 'vocês da imprensa'

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

28/09/2021 10h24

Campeão da Libertadores e da Copa do Brasil, Abel Ferreira não caiu nas graças das canetas da imprensa como o conterrâneo Jorge Jesus. Gosto, claro, não se discute. Mas desdém, com todo respeito, sim: somos um país de torcedores majoritariamente resultadistas. Admitamos. A torcida do Palmeiras não estava infeliz em março. Não havia lá também grande repertório de mapas de calor, quebra-linhas, beiradas de pés trocados e posse de bola. Não há generalização aqui, mas é importante "ouvir" a torcida do Palmeiras.

A insatisfação maior, senhores, é por ver de perto que a vantagem financeira/elenco acabou (e haja críticas contra a diretoria). É porque o resultado deixou de aparecer. Não é pelo jogo de linhas altas e futebol verticalmente objetivo - é porque ele deixou de ser tão letal. A insatisfação maior é pela frustração de uma temporada até aqui sem faixas e, para piorar, com derrotas frustrantes em mata-matas contra rivais locais (Flamengo e São Paulo) e rivais "menores"(CRB e Defensa y Justicia). Abel Ferreira também não se "ajuda": declarações recheadas de "banzo"da Terrinha, de indiretas e de falácias estatísticas não cativam todos os alviverdes e certamente municiam "vocês da imprensa".

Vice-campeão da Libertadores, Cuca goza de mais aceitação. Muitos coleguinhas acreditam ser ele o melhor técnico do Brasil. O Galo do Cuca (e do Menin, né?) é colocado como favorito nas três competições que toca paralelamente por muitos. Até os erros de Cuca são mais tolerados: a intempestividade que atrapalhou (foi isso?) o Santos na final do Maracanã é vista como "brasilidade passional". Sou do grupo que vê no Atlético o repertório que se cobra de Abel. Sim, o Galo modula suas "valências" mais do que o rival. Sim, o Atlético fez até aqui uma campanha mais consistente na Libertadores. Sim, tem mais time hoje para ganhar.

O resultado dessa semifinal não vai decretar quem é o melhor técnico. Para mim está claro quem é. Mas vai decidir um dos finalistas da Libertadores-21. E, por mais que "vocês da imprensa" não concordem com as 17 regras do futebol, ainda é sobre isso: é sobre ganhar...

PS: Toda vez que escrevo sobre Cuca, cobram-me sobre o caso de condenação de estupro na década de 80. Não entendo o porquê sobre só para mim (aliás, sei). De qualquer forma, para os desavisados: Blog da Marília - Entrevista com Cuca.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL