Luís Rosa

Luís Rosa

Siga nas redes
Opinião

É impressionante a força mental do líder Palmeiras

Com um homem a menos na casa do Fortaleza, duas vezes em desvantagem no placar, o Palmeiras, que fez uma apresentação com muitos erros, não desistiu em nenhum momento e foi buscar o empate (2 a 2), que o mantém na liderança deste Campeonato Brasileiro.

A três rodadas para o término do Brasileirão, o título deve ficar entre Palmeiras ou Flamengo, que estão empatados na primeira colocação, com 63 pontos. Em Uberlândia, contra o rebaixado e lanterna América-MG, o time carioca venceu por 3 a 0 em ritmo de treino. A vantagem do Verdão no critério de desempate é no saldo de gols (26 a 17).

Entretanto, não pode ser descartado o Botafogo, terceiro com 62 pontos, que empatou com o Santos (1 a 1), no estádio Nilton Santos, em um jogo que mandou na partida, mas se descuidou no final.

Em quarto, embalado, o Atlético-MG atropelou o Grêmio (3 a 0), na Arena MRV, e soma 60 pontos. O Galo tem confronto direto com o Flamengo, nesta quarta-feira, no Maracanã.

Assim como o Tricolor gaúcho, o Red Bull Bragantino, que foi derrotado pelo Internacional, em Porto Alegre, também está fora da disputa. Empatados com 59 pontos, os dois são, respectivamente, quinto e sexto colocados. Os gremistas levam vantagem no critério de desempate número de vitórias (18 a 16).

Depois do que aconteceu com o Botafogo, o Palmeiras tinha a chance de aumentar a gordura em dois pontos na liderança.

Para isso, desculpem a brincadeira, tinham que combinar com o Fortaleza, com a sua torcida que lotou o Castelão e saiu incrédula com a sua equipe, que teve tudo para derrubar o líder, mas falhou na hora de tirar um dez.

Melhor no primeiro tempo, o Fortaleza explorou as deficiências de marcação dos palmeirenses, principalmente os dois zagueiros Murilo e Gustavo Gómez, que acabaria sendo expulso na etapa final. O Leão mandou uma bola no travessão e abriu o placar com Tiago Galhardo.

No segundo tempo, foi aquele "jogo de não faz, toma", reinvenção tática de Abel Ferreira e uma força mental de um time, como ensina o treinador, que acredita até o último segundo.

Continua após a publicidade

Após a expulsão de Gustavo Gómez, puxado por Raphael Veiga, que chamou a responsabilidade, o Palmeiras chegou ao empate graças à persistência do meia.

No Fortaleza, o meia Calebe, o melhor em campo, ditava o ritmo e a sua ótima atuação foi coroada com o segundo gol, em tabelinha com Galhardo.

Nos enredos que o futebol proporciona, não pode desperdiçar uma chance com a que José Welison desperdiçou com o gol escancarado. É preciso ressaltar também a cobertura de Mayke, que perdeu a bola para o jogador do Fortaleza, voltou para a área e salvou o Palmeiras.

Esse lance, caso o Palmeiras conquiste o Brasileirão, será lembrado como o pênalti desperdiçado por Tiquinho Soares, que poderia deixar o jogo em 4 a 1, contra o Palmeiras. Weverton defendeu, e o Palmeiras virou em 4 a 3.

Em sua letal jogada de bolas alças para a área, o zagueiro Murilo, que não estava bem, deu a assistência de cabeça para Zé Rafael fazer o gol, que mantém o Palmeiras na liderança.

Depois disso, ficou um jogo tão aberto, que, fosse um time menos afobado, o Palmeiras poderia ter virado. Só que o Fortaleza também teve oportunidade para fazer o terceiro.

Continua após a publicidade

Para encaminhar o título, o Palmeiras precisa fazer o dever no Allianz Parque. Serão dois jogos, o lanterna América-MG, na quarta-feira, e o Fluminense, campeão da Libertadores e com a cabeça no Mundial de Clubes, no próximo domingo.

Na última rodada, no dia 6, o Palmeiras joga contra o Cruzeiro, que tanto pode estar rebaixado ou livre do rebaixamento. O duelo deve ser sem a presença de torcedores.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes