PUBLICIDADE
Topo

Lei em Campo

Cruzeiro começará série B com seis pontos a menos. E situação deve piorar

Lei em Campo

Andrei Kampff é jornalista formado pela PUC-RS e advogado pela UFRGS-RS. Pós graduado e mestrando em Direito Desportivo, é conselheiro do Instituto Ibero Americano de Direito Desportivo e criador do portal Lei em Campo. Trabalha com esporte há 25 anos, tendo participado dos principais eventos esportivos do mundo e viajado por 32 países atrás de histórias espetaculares. É autor do livro "#Prass38".

19/05/2020 22h31

Agora é oficial. O Cruzeiro vai começar o Campeonato Brasileiro da Série B com 6 pontos a menos na tabela. A FIFA comunicou a CBF, que já avisou o clube mineiro da punição. A informação foi dada pelos jornalistas Thiago Reis e Samuel Venâncio da Rádio Itatiaia, e confirmada em conversas que tive com pessoas ligadas ao Cruzeiro. Dessa decisão não cabe mais recurso.

A punição foi imposta pela FIFA em março pelo não cumprimento da ordem de pagamento referente à dívida do clube com o Al Wahda, em função do empréstimo de seis meses do volante Denilson. O clube mineiro tinha até a última segunda, 18 de maio, para realizar o pagamento dos 850 mil euros ao clube árabe, em valor que beira os R$ 5 milhões na cotação atual. O clube mineiro ainda tentou negociar parcelamento da dívida, mas não conseguiu.

Agora, o Cruzeiro tem novo prazo para pagamento. Caso não cumpra, receberá uma nova punição da FIFA ainda mais rigorosa, e rebaixamento de divisão é uma das possibilidades.

O Conselho do Cruzeiro se reuniu na noite desta terça, dia 19 de maio, para analisar o caso.

A situação financeira do clube é muito difícil. Só em contratações, o clube mineiro tem mais de 80 milhões em dívidas. E outros casos, como o de Willian Bigode, com ordem de pagamento para o final de maio, também devem trazer prejuízos desportivos ao clube.

A reincidência é mais um complicador para o Cruzeiro, que segue num pesadelo sempre possível diante de gestões irresponsáveis.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL