PUBLICIDADE
Topo

Gabriel Vaquer

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Em meio a perdas, Globo faz proposta e tenta recuperar Champions League

Jogadores do Bayern pressionam Neymar na final da Champions League 2019/2020 - Pool/Getty Images
Jogadores do Bayern pressionam Neymar na final da Champions League 2019/2020 Imagem: Pool/Getty Images
Gabriel Vaquer

Gabriel Vaquer cobre mídia esportiva desde 2014. No UOL Esporte, conta detalhes do evento onde seu time joga e onde seu profissional de TV esportiva favorito vai trabalhar.

23/02/2021 00h01Atualizada em 24/02/2021 03h27

A TEAM, agência responsável pela UEFA para a venda de direitos de transmissão, encerou ontem (23) o leilão que venderá a Champions League para o Brasil entre as temporadas 2021/2022 e 2023/2024. A Globo virá com força total. A emissora, depois de perder vários eventos como Libertadores, Campeonato Carioca e Fórmula 1, decidiu fazer propostas para TV aberta e paga. A ideia é recuperar por completo a principal competição de clubes do mundo.

A coluna apurou que, internamente, venceu o argumento de que a Globo precisa de novos eventos esportivos para todas as mídias. Até a semana passada, havia uma divisão dentro do Grupo sobre como entrar na disputa por esses direitos. O financeiro defendia uma proposta apenas para exibição no SporTV. O conteúdo esportivo queria a competição para todas as plataformas.

Na UEFA, a entrada da Globo foi bastante desejada. A entidade colocou como prioridade para a negociação deste ano a retomada de uma emissora aberta no Brasil. O motivo é simples: para os mandatários, a Champions perdeu repercussão no Brasil nos últimos anos com exibição apenas na TV por assinatura (TNT Sports) e por rede social, com o Facebook. Para reverter isso, preparou um pacote para TV aberta e convidou praticamente todas as redes de TV a participarem do leilão.

A Globo não exibe a Champions desde a temporada 2017/2018. Na época, curiosamente, a emissora e a UEFA entraram em desacordo porque a Globo queria comprar os direitos da competição para TV aberta e paga, o que desagrava a confederação na época. Agora, os problemas parecem resolvidos.

Mas o leilão será acirrado para a Globo. Executivos ouvidos nos bastidores de SBT, Facebook e Warner confirmaram proposta e a entrada na negociação. Nomes ligados à Disney preferiram não confirmar, mas disseram que estão bastante interessados no retorno do torneio após seis anos. A Record foi convidada, mas não quis fazer proposta. Dirigentes da Band não comentaram.

A Warner é a que mais quer renovar os direitos da Champions League até 2024 pelo evento ser sua "galinha dos ovos de ouro" no país. No dia final para o envio de propostas, a programadora americana divulgou que bateu recorde de audiência com a competição na temporada 2020/2021 com Barcelona x PSG no último dia 16 de fevereiro —foram 6,5 pontos de média com picos de 7,9 na medição PNT (índice de audiência da TV medido pelo Ibope nas 15 principais metrópoles do Brasil).

Além disso, a empresa americana afirmou para a UEFA na semana passada que também obteve um recorde de patrocinadores da Champions em toda a sua história. Se tudo correr bem, a UEFA deve divulgar os vencedores do leilão pela Champions League em março.

Veja o panorama completo na TV aberta e paga do leilão da Champions League:

TV aberta

Globo

SBT

Facebook

TV por assinatura

SporTV

WarnerMedia

Disney (interessada, mas sem confirmar proposta)

Quem está fora

Record